Crônica de Antônio Gallas: O Cidadão Renato Bacellar

Antônio Gallas Pimentel
Nos dois últimos dias da semana passada não se falou noutra coisa em Parnaíba a não ser no lamentável episódio que envolveu dr. Renato Bacelar, noticiado pela imprensa piauiense e  discutido amplamente nas redes sociais da internet.
As opiniões, tanto do povo nas ruas como dos internautas nas redes sociais eram na sua maioria em defesa do advogado parnaibano, ressaltando sua probidade, sua dignidade, sua firmeza de caráter, e, acima de tudo, sua honestidade. Algum outro, talvez por não conhecer dr. Renato,  ou mesmo por não ter caráter próprio, tecia um comentário debochado. Mas foram poucos. Aliás, tem um dito popular que afirma “que o bom julgador por si próprio julga os outros”.
O currículo do dr Renato Bacelar é invejável. Exerceu altas funções públicas no estado, inclusive a de prefeito da capital – Teresina, por afastamento do titular prof. Wall Ferraz, além de outras funções que ainda exerce como a de procurador-geral do município de Parnaíba.  Mesmo assim, com um currículo tão rico, dr. Renato é um homem simples, não ostenta luxo, muito menos riqueza e não mora em palácio. Pergunta-se então: onde está o dinheiro que dizem que ele desviou, se dr. Renato sequer possui um carro de luxo para seu transporte?
A Parnaíba toda sabe da honestidade desse cidadão. Honestidade que vem de berço, herdada de seu pai dr. Raul Bacelar, um nome reverenciado não apenas na Parnaíba ou no Piauí, mas no Brasil pela farmacologia brasileira que o homenageou ainda com vida por ser o farmacêutico vivo mais antigo no país.
O grande romancista e teatrólogo inglês William Shakespeare nos diz que “nenhuma herança é tão rica quanto a honestidade”. Já Meishu Sama, fundador da Igreja Messiânica Mundial afirma que “nenhum tesouro, por mais valioso que seja, supera o tesouro da honestidade”.
Sábado, dia 04 do corrente, conforme amplamente divulgado na imprensa local foi lançamento do livro A face oculta da literatura Piauiense de Daniel Ciarline (primeiro de sua lavra sobre o qual me reportarei oportunamente). O evento que aconteceu na Praça dr, Fernando Bacelar no pátio da Fundação Raul Bacelar  estava repleto de pessoas da sociedade, intelectuais e artistas. Via-se no semblante de cada pessoa um ar de alegria, de felicidade, tanto pelo evento, pois se tratava de um jovem brilhante iniciando uma caminhada pelo árduo e difícil caminho de escritor-pesquisador, mas também, pela presença de dr. Renato Bacelar rodeado por familiares seus.
Para aqueles que duvidaram da honestidade de dr.  Renato e  chegaram até fazer comentários debochados sobre o cidadão,  termino esta pequena crônica com este pensamento de Sócrtaes o grande filósofo grego e um dos maiores pensadores de todos os tempos: “se o desonesto soubesse a vantagem de ser honesto, ele seria honesto ao menos por desonestidade”.
Antônio Gallas Pimentel é professor, jornalista e escritor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *