DISPARIDADE SALARIAL: PROFESSORES X DEPUTADOS ESTADUAIS

Por: Benedito Gomes(*)
Há alguns dias fui surpreendido com a imprensa dando
a notícia de que os professores tiveram um aumento de 13.5%, passando a ganhar
como piso salarial R$ 1.917,00 (hum mil novecentos e dezessete reais) mensais.
Meu Deus! Sequer chega a R$ 2.000,00 (dois mil reais). E eu pensava que um
professor ganhasse muito mais.
Olha, quem como eu estudou até os anos 70, fez 5
anos de curso primário, 4 de ginásio, 3 de curso normal ou suplementar; mais 01
ano de cursinho e 4 ou 5 de Universidade, já se vão mais de 20 anos de estudos.
Afora outros cursos de reciclagem, aperfeiçoamento, etc.
Quem queimou todas essas etapas é porque saia de sua
casa pela manhã, à tarde e à noite. O tempo todo com um único pensamento e um
só objetivo: vou me formar, trabalhar e
ganhar dinheiro,
o que é muito justo. Alguns, já adultos, trabalhavam
durante o dia para estudar à noite, dando um duro danado para conseguir a tão
desejada e difícil graduação em pedagogia. E finalmente veio a conclusão do
curso, preparação para a formatura, a distribuição dos convites aos parentes e
amigos… a aula da saudade, ato religioso 
(missa ou culto), colação de grau, festas abraços, sorrisos e a
constatação: Enfim, somos pedagogos! Vamos aguardar um concurso, encarar muito
trabalho em salas de
aula… Mas, infelizmente, vem a triste realidade que é  viver com o
mísero salário que é pago ao profissional de educação.
O que também me surpreendeu bastante na imprensa foi novamente o mesmo assunto – aumento de salários.
Só que desta vez de maneira diferente. O aumento era para os nossos
deputados estaduais.  Foram aumentos em 25%, que
lhes proporciona agora ganhar em torno de R$ 25.000,00 (vinte e cinco mil
reais); com mais uma verba  de R$
32.000,00 (trinta e dois mil reais) com o “honroso” nome de verba
indenizatória, ou seja, o deputado tem R$ 1.066,00 (mil e sessenta e seis
reais)/ por dia, para gastar com o que bem lhe convier. E mais: o digníssimo
deputado tem ainda R$ 80.000,00 (oitenta mil reais) mensais de  verba de gabinete para distribuir portarias
com quem bem lhe interessar, de preferência familiares e amigos. Assim sendo, o
Piauí gasta por ano com um deputado R$ 1.644.000,00 (hum milhão seiscentos e
quarenta e quatro mil), enquanto que com um professor apenas e tão somente R$
23.004,00 (vinte e três mil e quatro reais) anuais.
Os países bem desenvolvidos só chegaram a tanto
graças à educação ofertada a seu povo. E no Brasil? Não sei onde iremos parar
com o tratamento dado aos nossos mestres. Sei que dinheiro não entra em sala de
aula, mas competência entra. E do jeito que está aí, só mesmo devoção,
dedicação e muito boa vontade. E a esperança de que, um dia, quem sabe, dias
melhores virão para iluminarem nossos governantes a reconhecerem a importância dos
nossos mestres.
Em
tempo:
Mesmo com o aumento do piso nacional de salários,
professor em início de carreira ainda não ganha 2 mil reais, como piso. Enquanto
isso, raros são os vereadores deste país- mesmo os de municípios pequenos – que
ganham menos disso.
(*)Benedito Gomes é Contador(UFPI)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *