Que é isso, companheiros?

Por:Zózimo Tavares
Uns, mais afoitos, já falam abertamente; outros, mais discretos, falam por meias palavras. O fato é que existe uma legião de petistas descontente com o estilo do governador Wellington Dias de governar, sobretudo com a iniciativa dele de fazer alianças políticas com ex-adversários em nome da governabilidade. Nesses acordos, inclui-se a distribuição de cargos.
A entrega de cargos no governo a ex-adversários começou pelo primeiro escalão, passou pelo segundo e vai se intensificar agora, com o rateio das posições no interior do Estado. Os critérios de distribuição desses cargos inclusive já foram definidos entre as lideranças, o que deixou os petistas contrariados e mal-humorados.
É no mínimo curioso que os petistas ainda se surpreendam com o estilo de Wellington Dias de fazer política. Ele vem pondo esse modo de fazer política em prática desde quando assumiu o primeiro mandato de governador, em 2003. Figuras carimbadas nutridas nas velhas estruturas políticas do Piauí posavam ao seu lado como forças da base aliada.
E o que os petistas abominam em Wellington, essa sua disposição permanente de estar sempre aberto ao diálogo, é o que o tem colocado como um político acima dos partidos, superior às refregas eleitorais, grande nas derrotas políticas e maior ainda nas vitórias. Com que armas se combate um político dessa envergadura?
No poder, em seus dois mandatos, ele entregou ao seu partido as principais secretarias. Nem por isso, o PT cresceu eleitoralmente. Na Assembleia Legislativa, a bancada vem encolhendo a cada eleição. Na última, ficou apenas com três deputados.
O PT deve compreender, portanto, que não é com o partido, apenas, que Wellington pode governar. Além do mais, o Partido dos Trabalhadores tem criado extremas dificuldades para o governador. A última foi na eleição para a presidência da Assembleia Legislativa, na qual Wellington empenhou todo o governo em troca de passar um vexame absolutamente desnecessário.
Se Wellington estivesse amarrado desde o início às vontades e aos caprichos do PT, onde ele estaria?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *