SECRETARIA EXTRAORDINÁRIA DE OBRAS INACABADAS

                         Secretário Merlong:tentando justificar gastos

Sugerimos aqui logo após a eleição, que o governador Wellington Dias criasse em caráter extraordinário a secretaria de Obras Paradas e Inacabadas. O governo não criou e a Assembleia roubou a ideia, criando uma comissão com, o mesmo nome.
CEGA
Mas, a tal comissão do legislativo é como a Justiça, não vê nada. Com esse vácuo, o governo decidiu contratar alguém para essa tarefa. Sabe quem?, a famosa e competente Fundação Getúlio Vargas. Ela não só vai monitorar como orientar o governo sobre a conclusão das obras.
O PREÇO DO MONITORAMENTO
O contrato do governo do Estado com a Fundação Getúlio Vargas para monitorar obras paradas e inacabadas foi tema de debate nesta 3ª feira na Assembleia. Presidente da Comissão de infraestrutura da casa, o deputado Rubem Martins(PSDB) , classificou de desnecessária a despesa de R$ 20 milhões com esse convênio.
RÉPLICA
Ouvindo a reclamação de Martins, o secretario Merlong Solano partiu para a réplica: 20 não, na verdade, são somente R$ 7 milhões por ano, o que dá em média, R$ 700 mil por mês.
TRÉPLICA
Na tréplica, o deputado foi irônico: “Ah, eu me enganei, nesse caso, se multiplicarmos 7×4 o governo vai desembolsar R$ 28 milhões com a fundação Getúlio Vargas nesse monitoramento.(Por:Pedro Alcântara)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *