Niéde Guidon “A situação está de um jeito que até o fim do ano a Fundação vai ter que fechar”

                                   Arqueóloga Niéde Guidon
“Eu era professora em Paris, filha de pai francês e mãe brasileira, comecei a trabalhar no Brasil, fazia cursos com meus alunos e em 1992 o governo brasileiro pediu à França para me emprestar para que eu fizesse o projeto para proteção da Serra da Capivara, porque sendo patrimônio da humanidade é obrigação do governo brasileiro protegê-lo. Então a França me emprestou, vim para cá, fiz todo esse projeto. Deixei de morar em Paris para morar em São Raimundo Nonato para defender esse patrimônio e não consegui. Realmente um fracasso total”.

Com essas palavras de desapontamento, a arqueóloga Niéde Guidon, diretora-presidente da Fundação Museu do Homem Americano e reconhecida pelo seu grande trabalho no Parque Nacional da Serra da Capivara, concedeu entrevista à Teresina FM falando sobre as dificuldades enfrentadas pela entidade.  Em tom de desabafo, ela mostrou cansaço e decepção pela falta de empenho do Governo Federal para com o parque. Segundo ela, a situação está tão ruim que até o final deste ano a Fundação vai ter que fechar.
“O problema que nós temos é que os recursos estão cada vez mais diminuindo. O deputado Paes Landim fez emenda, tivemos repasse do Iphan, mas infelizmente são recursos para obras, para compra de equipamento e nosso problema é o pagamento de pessoal. Nós já tivemos que demitir uma quantidade imensa de pessoas, é muito triste. A situação está de um jeito que até o fim do ano a Fundação vai ter que fechar. Nós tínhamos recursos da Petrobras, que enviava todo ano e podíamos manter o parque. Tínhamos também a compensação ambiental, em que as empresas cujo trabalho prejudica o meio ambiente eram obrigadas a pagar e muitas escolhiam a Fundação para fazer o repasse, como por exemplo, Chesf e Vale do Rio Doce. Mas o Lula teve a ideia de mudar a lei em 2008 e criar um Fundo em Brasília e sumiu tudo”.
Niéde explica que havia 28 guaritas no Parque com pessoas trabalhando e cerca de 270 funcionários, mas a equipe foi reduzida para 40. A pesquisadora reafirmou ainda da falta que o aeroporto de São Raimundo Nonato faz e o tempo que se perdeu para que fosse construído. Atualmente, o parque tem recebido 25 mil turistas por ano.(Fonte: Rádio Teresina FM)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *