Parnaíba deverá contar com delegacia de narcotráfico

As principais cidades do Piauí, a exemplo de Parnaíba, Picos e Floriano, entre outras deverão contar com delegacias de entorpecentes para combater o tráfico de drogas. A informação foi dada pelo secretário de Estado da Segurança, Capitão Fábio Abreu.
O secretário também afirma que centrais de monitoramento, no modelo das que foram instaladas em cidades que sediaram a Copa do Mundo, também serão instaladas no Piauí a custo zero para o Estado.
De acordo com o mapa divulgado pela Confederação Nacional de Municípios (CNM) 21 cidades piauienses possuem nível alto de consumo de drogas, 64 nível médio e 54 nível baixo. De acordo com a Associação Piauiense de Municípios (APPM), o número pode ser ainda maior, uma vez que, gestores de 85 cidades do Piauí não repassaram informações para a pesquisa, a exemplo de Teresina e Parnaíba. O mapeamento revela que o uso de entorpecentes está disseminado tanto em cidades com grande número populacional como Esperantina, Barras, Altos e Campo Maior, quanto municípios pequenos como Paquetá, Fartura do Piauí, Simões e Francisco Santos.
Fábio Abreu, ressalta que para combater a expansão do uso de drogas, as forças de segurança no Estado tem atuado para desarticular grandes traficantes, com o objetivo de desbastecer o pequeno comércio ilegal. Em entrevista ao Notícia da Manhã, desta quinta-feira (09), o gestor disse ainda que aumento o número de efetivo na a Delegacia de Proteção e Repressão a Entorpecentes (DEPRE).
“Aumentamos o número de delgados para seis e já apreendemos quase uma meia tonelada de drogas neste ano. O crack que chega ao país vem do exterior e é preciso reforçar as barreiras. Estamos desarticulando os grande traficantes para diminuir a oferta de drogas e precisamos  atuar também com trabalhos sociais para que os jovens não migrem para esse mundo”, explica o secretário.
O secretário Fábio Abreu falou ainda que é a favor da redução da maioridade responsável e que até setembro serão investidos R$ 10 milhões na segurança, através de emendas parlamentares.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *