Bernardo Carranca, o imperador da música

Por:Pádua Marques (*)
Em março de 2011, portanto há quase quatro anos, o Carlos Pontes me convidou pra editar em Parnaíba a revista cultural Mambembe. Ele já vinha de uma experiência muito proveitosa em Fortaleza e queria repetir o feito por aqui. Quando tratamos sobre as matérias pude perceber que havia na bagagem dele muita coisa longe da nossa realidade e que ele insistia em priorizar. A proposta da revista era estimular o gosto pela leitura e abrir um canal pra divulgação de nossa cultura, principalmente a literária.
Sugeri alguns assuntos de reportagens tais como uma matéria com o Paulo Gaspar, artista plástico e meu amigo de infância, um mergulho na obra do cordelista de Amarração, Firmino Teixeira do Amaral, o teatro de Joaquim Lopes Saraiva e uma surpreendente entrevista com o cantor mais que popular Bernardo Carranca. Ele havia há pouco produzido e lançado por sua conta e risco um DVD, com o título pomposo de O Imperador da Música.
Mas esta minha curiosidade por Bernardo Carranca ser matéria da edição de número quatro da Mambembe foi encontrar este DVD sendo vendido com muita procura nas bancas de camelôs em toda a Parnaíba. Foi um custo encontrar um exemplar, pois já estava praticamente esgotada a tiragem de três mil cópias. O Carlos Pontes, quando falei sobre a carreira e a popularidade de Bernardo Carranca, ficou relutante. Ele queria matérias sobre literatura tipo Cervantes, Freud, Nietsche, Gabriel Garcia Marquez e coisa e tal.
Coisa alta pra nossa cabeça e mais ainda pra uma proposta de formar leitores num meio de mundo desses. Eu insisti que se tivesse que começar estimulando leitores, que fosse falando daquilo que essa gente ignorante sabe e gosta, seus ídolos, costumes, sua forma de viver. Mesmo que aos olhos de muitos essas coisas e situações pudessem parecer ridículas ou extremamente exóticas. Finalmente eu e nosso competente diagramador Pedro Guitar acabamos vencendo a peleja. E Bernardo Carranca, com seu carisma e improvisações foi alçado a matéria da Mambembe.
Fui até sua casa no meio de uma tarde e lá pude fazer uma entrevista. Sem sombra de dúvidas uma das minhas melhores. Ele me falou de tudo. Desde o início da carreira com Os Grilos, dos irmãos Soriano, a formação de outras bandas, a carreira solo, a retomada com os filhos, as esquisitices, as grandes interpretações, viagens, clientes e muitas das vezes até a rejeição de muita gente ao seu estilo e a seu repertório.
Mas seguiu em frente. Soube ser artista do seu jeito até o fim. Levou até onde deu alegria e entretenimento pra muita gente. Criou e manteve como disse de si mesmo na entrevista, a fama de um artista que sempre surpreendia. “Bernardo Carranca é um artista folclórico na cidade de Parnaíba”, disse. O imperador está morto. Fica o trono vazio.
(*)Pádua Marques é jornalista e escritor

Deixe uma resposta