Médicos peritos fazem a primeira greve de 2016 no estado e cobram atrasados

Começou a primeira greve de 2016 no serviço público no Piauí. Os médicos peritos do antigo IAPEP, estão com de braços cruzados desde a última 3ª feira. Alegam que não recebem pagamento desde agosto do ano passado. Falando pela categoria o médico Alberto Sinibú explicou: “há um jogo de empurra. Uma hora dizem que a competência de nos pagar é do IASP, outrora, falam que é da Superintendência de Previdência e, por último, sinalizam que o problema é da secretaria de Administração. Para nós é irrelevante saber quem vai pagar, pois o caixa do Estado é único. Nós trabalhamos e queremos receber. Por isso, só voltaremos ao trabalho quando nos pagarem todo o atrasado”.
QUEM SOFRE COM A GREVE?
A greve dos médicos peritos do antigo IAPEP prejudicará milhares de servidores públicos na capital e no interior. São vários tipos de perícia realizadas diariamente, cujos laudos definem a situação dos pacientes.
GESTANTES
O caso das gestantes que vão parir, elas só poderão entrar de licença remunerada se passarem pela perícia. Sem a perícia, podem até se afastar, mas enfrentarão dois problemas: não receber o salário enquanto durar a licença e ainda corre o risco de perder o emprego.
CONCURSADOS
Os concursados também serão prejudicados. Eles só podem assumir seus respectivos cargos após a perícia médica. Agora mesmo o governo está convocando alguns aprovados. Mas, a posse deve ser adiada por causa da greve.
LICENÇA MÉDICA
Servidores que adoecem e precisam se afastar do trabalho para tratamento de saúde só conseguem a licença passando pela perícia. Todo dia tem gente adoecendo, seja por doença ou acidente. Todos, indistintamente, são periciados.
A DÍVIDA
Ao todo são sete médicos peritos. Eles ganham R$ 60 por cada perícia realizada. O acumulado desde agosto para pagar todos não chega a R$ 100 mil.(Pedro Alcântara)

Deixe uma resposta