PONTE SIMPLÍCIO DIAS PODE VIR A SER UMA NOVA TRAGÉDIA

Por:Renato Santos Júnior
Questiono-me quando tenho que escrever sobre o lastimável estado de conservação da Ponte Simplício Dias que liga a nossa cidade de Parnaíba à Ilha Grande, e por extensão à encantadora Praia da Pedra do Sal e ao Delta do Parnaíba, o único em mar aberto das Américas.
Construída na década de 1970 foi, a realização de um sonho dos parnaibanos, que o Eng. Alberto Silva tornou realidade quando da sua primeira gestão à frente do governo do Piauí, com recursos da União liberados pelo então Ministro Reis Velloso. O que nos leva a concluir que a responsabilidade pela sua conservação é das autoridades estaduais.

Mais ou menos na mesma época foi construída pela mesma construtora – A GASPAR – a ponte de acesso a São Luis (MA) e a Ponte da Barra do Ceará que liga Fortaleza ao litoral oeste do Ceará. Ambas estão em excelente estado de conservação e segurança, mesmo estando mais próximas do mar onde o efeito da maresia se faz sentir em maior intensidade.
Qual é então a razão para a Ponte Simplício Dias não apresentar as mesmas condições de trafegabilidade com segurança como as outras duas, que por sinal recebem maior fluxo de veículos, inclusive pesados. É simples dizer! Falta de decisão política dos governantes do Piauí. Pelo governo do estado e pela ponte já passaram Mão Santa, Hugo Napoleão, Freitas Neto, Wellington Dias, Wilson Martins, Zé Filho, e nenhuma atenção dispensaram à conservação da importante obra de arte.
Uma obra daquela magnitude precisa de manutenção preventiva no mínimo em intervalos de 15 anos. O que se constata? – Que desde a sua construção não passou por nenhuma manutenção de vulto, quando muito aqui e ali a Prefeitura de Parnaíba recupera o piso de sua calçada e retoca pontos em que a ferrugem dar mostras de sua presença. Em outras palavras – faz uma maquiagem – mas não ataca o “x” da causa do problema.
Eu pergunto: i) onde se encontra o CREA-PI? – órgão que deveria fiscalizar as construções e o estado de conservação da ponte, mas que é conhecido mais pela vultosa cobrança de taxas etc; ii) o DER-PI? – como sempre inoperante; iii) a representação política parnaibana na Assembleia Legislativa (são três e muito pouco fazem pela cidade); iv) os principais órgãos de classe: ACP, FECORMERCIO, FIEPI; v) a Prefeitura de Parnaíba, a Câmara de Vereadores; e tantas outras entidades da cidade.
Sugiro a realização URGENTE de uma Audiência Pública na Câmara Municipal nos moldes da que foi realizada para a manutenção da ZPE em Parnaíba, e que sejam convidados os responsáveis, os representantes da cidade e os interessados em geral para que se chegue a uma decisão definitiva para se manter a ponte em condições segura de trafegabilidade.
NÃO É POSSÍVEL DEIXAR ACONTECER UMA TRAGÉDIA PARA QUE AS PROVIDÊNCIAS SEJAM ADOTADAS.
Edição:Bernardo Silva

Deixe uma resposta