Após filiação de Zé Filho PPS ‘atrai olhares’ para apoio nas eleições deste ano

Após concretizar sua filiação ao Partido Popular Socialista (PPS), no dia 29 de janeiro deste ano, em solenidade no plenarinho da Assembleia Legislativa do Estado, o ex-governador Zé Filho foi citado por políticos como bom apoio para os pré-candidatos a prefeito de Teresina e alguns disseram que buscaram concretizar uma aliança.
Atual presidente da Federação das Indústrias do Piauí (FIEPI), Zé Filho deixou o Partido do Movimento Democrático do Brasil (PMDB) para se filiar ao PPS e assumir o diretório estadual da sigla.
O PSDB, partido do prefeito em exercício Firmino Filho, tem conversado com o PMDB para buscar apoio no pleito, mas se acordo com o deputado Firmino Paulo, caso não seja firmada uma aliança, a legenda pode procurar o ex-governador para apoiá-la.
“O PSDB está conversando com todos os partidos que irão fazer parte das eleições municipais. Essas conversas estão sendo realizadas sempre com esse objetivo de um grupo forte para que possamos ter uma boa gestão no próximo mandato. Esse é um momento que o ex-governador está assumindo PPS então com certeza ele também irá fazer parte dessas conversas”, disse o deputado.
O deputado estadual Dr. Pessoa, que é pré-candidato a prefeitura da capital, também não descarta a possibilidade de uma aliança com o PPS. “Quem achar que vai fazer política só está perdido. Até o momento eu vim só, mas se quiser galgar mais alguma posição de maior vulto, tenho que estar associado a outros partidos, e o PPS tem qualidade, seja pare ele me fazerem um chamamento ou para eu procurar para essa conversação mais aprofundada”, contou ao O Olho.
A médica Adriana Sousa, uma das líderes do movimento Vem Pra Rua, que também tem afirmado que se lançará como candidata a prefeita em Teresina, disse que buscará o apoio do Partido Popular Socialista e de Zé Filho. “Eu tenho uma admiração muito grande pelo PPS, pelo posicionamento da sigla principalmente aqui no estado, tenho uma amizade com o ex-governador Zé Filho e é possível. A gente vai tentar conversar, ver a possibilidade”, explicou.(O Olho)

Deixe uma resposta