Justiça anula concurso da UFPI para professor no campus de Parnaíba

Juíza aceitou pedido de candidata por questionar notas iguais em avaliação. Instituição aguarda notificação para se pronunciar sobre decisão judicial. Universidade Federal do Piauí aguarda notificação de decisão judicial.
A Justiça Federal no Piauí, em decisão dada pela juíza Maria da Penha Fontenele, decidiu suspender o resultado do concurso para professor da Universidade Federal do Piauí (UFPI). A alegação é que a banca examinadora não teria agido de forma objetiva na avaliação.
Segundo a candidata e autora da ação, a sua eliminação na prova didática se deu por falta de objetividade dos componentes da banca, composta por quatro examinadores. Já a UFPI declarou improcedência das alegações do autor.
Para a magistrada, o fato de que os quatro examinadores atribuíram notas idênticas demonstra ausência de uma análise individual do candidato por cada avaliador. Em seu texto decisório, a juíza federal Maria da Penha Fontenele entende que “a finalidade da avaliação coletiva é justamente possibilitar que se busque a média da diversidade de entendimento de mais de um examinador, a fim de impedir que o pensamento de um só venha a prevalecer”.
Assim, a juíza resolveu suspender o resultado do concurso e tornar sem efeito a avaliação das provas didáticas do certame. Além disso, determinou a reavaliação dessas provas, que deve ser realizada individualmente pelos examinadores do concurso, de forma que um não saiba a pontuação atribuída pelo outro.
A presidente da Comissão Organizadora do concurso, professora Maria D’Alva, preferiu não se manifestar sobre o caso. “A comissão ainda não foi notificada da decisão e só iremos nos posicionar após recebermos a notificação”, afirmou.
Concurso
A UFPI lançou o edital, referente a este concurso, em outubro do ano passado, para provimento de seis vagas para o cargo de professor no campus Ministro Reis Veloso, na cidade de Parnaíba, litoral do estado.
As três etapas do concurso (prova escrita, prova didática e prova de títulos) já haviam sido concluídas e o resultado divulgado no Diário Oficial da União. Com a decisão judicial, este resultado deve ser anulado e a banca examinadora reunida novamente para fazer a reavaliação da prova didática, de acordo com o que foi determinado pela juíza. (Por Wenner Tito/G1 PI)

Deixe uma resposta