O que falta é seriedade e coerência

Por:Benedito Gomes(*)
No inicio dos anos 60 a política brasileira parecia muito sólida. Juscelino fez em cinco anos o que outros não fizeram em cinquenta. Desenvolveu o parque industrial e entregou ao povo a bela capital Brasilia. Terminando seu mandato, passa o governo a Jânio Quadros, que assumia com a vassoura na mão prometendo varrer a sujeira das repartições públicas.Com poucos meses de governo Jânio renuncia, o vice presidente João Goulart assume e em 31.03.64 veio o golpe militar e a ditadura toma conta do Brasil. 
Aquela calmaria que se apresentava no inicio da década foi embora, os partidos foram dissolvidos e criaram então  o bi-partidarismo, isso em 1967.  Os dois partidos filhos da ditadura foram Arena-Aliança Renovadora Nacional e MDB (MOVIMENTO DEMOCRÁTICO BRASILEIRO ). 
Com a Arena ficaram os governantes e aqueles que não podem ver dinheiro público, portaria e honroso cargo de assessor  especial. No PMDB ficaram aqueles que defendiam a democracia, a liberdade de expressão e etc.
No MDB nacional estavam Ulysses Guimarães, Pedro Simon, Paulo Brossar, Teotônio Vilela e muitos outros. No Piauí: Celso Barros, Nogueira Filho, João Mendes Nepomuceno, Severo Eulálio, Bona Carbureto, Bruno Santos… Aqui em Parnaíba a defesa da liberdade era comandada por José Alexandre, Elias Ximenes do Prado, Custodio Amorim, Reinaldo Santos e muitos outros. Eu 
também estava lá. Em 1980 a Arena virou PFL e o MDB ficou PMDB. Logo depois do final da ditadura, criou- se então o pluripartidarismo. Aí virou bagunça. Hoje temos  quase 40 partidos, a maioria deles criada apenas para satisfazer interesses pessoais. 
Entre dezenas de siglas partidárias que flutuam aqui em Parnaíba está o PPS, que já faz parte do cenário político há alguns anos, sempre como figurante  e sem nenhuma chance de protagonizar alguma coisa.
Recentemente esteve em Parnaíba o deputado federal Roberto Freire, presidente nacional do PPS, comunista convicto. Durante muitos anos ele foi presidente do PCB ( PARTIDO COMUNISTA BRASILEIRO). O deputado veio ao Piauí e a Parnaíba assistir diversas filiações ao PPS, que aliás é apenas uma continuação do PCB.
Em Parnaíba o PPS está entregue a uma família católica assídua e praticante, defensora da fé e da família. Até há pouco tempo esta família dirigia  aqui o PSC ( PARTIDO SOCIAL CRISTÃO), cujo chefe o chamava partido de Cristo, onde o lema principal era a defesa da família. Muito lindo defender esta sociedade criada por Deus, que tem suas raízes no paraíso e frutos espalhados pelo mundo inteiro. Mas fico a me perguntar: como será o comportamento dessas pessoas defendendo as ideias do deputado Roberto Freire porque, que eu saiba, o comunismo nunca foi a favor dos direitos humanos. Como será que vivem as famílias em Cuba e na Coreia do Norte, onde os direitos de cada um sequer são respeitados? 
Vamos então aguardar o comportamento do povo cristão parnaíbano, diante dos mesmos políticos que apenas mudam de partido e dizem que estão chegando com novas ideias. Aguardemos.
(*)Benedito Gomes
Contador UFPI

Deixe uma resposta