Sem perdão: A “fritura” de Marcelo Castro

Sem perdão

Marcelo Castro, de todos os ministros que se recusaram a entregar os cargos, foi o que mais enfureceu a direção nacional do PMDB. Por isso não tem perdão.

Assinar pedido
Temer pediu a presença de Juliana em Brasília para solicitar que assine o pedido de destituição de Marcelo Castro do partido.
Forte tendência
Existe uma forte tendência de a deputada Juliana topar a parada e assinar um documento à direção nacional do PMDB, pedindo a saída de Marcelo Castro.
Deselegância
Embora em público evitem fazer restrições ao comportamento do ainda presidente estadual do PMDB do Piauí, deputados do partido comentam, pedindo reservas, que ele foi “altamente deselegante” com João Henrique de Almeida Souza, que estava na presidência interina do partido.
Como poderoso
Para dois deputados do PMDB, Marcelo Castro “agiu como trator porque pela sua cabeça não passava a possibilidade de o impeachment de Dilma ser aprovado”.
Perspectiva não é o forte
Os mesmos deputados, sempre pedindo que seus nomes não fossem revelados, lembraram que Marcelo Castro “sempre teve dificuldades de raciocinar em perspectiva”.
Caso da candidatura
Para exemplificar a suposta dificuldade de Marcelo de raciocinar em perspectiva, lembram o caso da candidatura do deputado do Governo do Estado, “quando todo mundo sabia que o candidato seria Zé Filho, menos ele, Marcelo”. (Blog do Feitosa Costa)

Deixe uma resposta