Senado analisa empréstimo do Piauí: Mais de um bilhão

COMISSÃO de Assuntos Econômicos do Senado pede vistas em pedidos de empréstimos externos

A pauta da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado (CAE) na qual estão os pedidos de empréstimo externo do Governo do Piauí, no valor de 320 milhões de dólares (aproximadamente R$ 1 bilhão), começou a ser analisada ontem. A pauta de ontem da CAE, contemplando também outros Estados, teve pedido de vistas coletivo e voltará à apreciação da Comissão na próxima terça-feira (12).
Ontem, os senadores Álvaro Dias (PV-PR), Ataíde de Oliveira (PSDB-TO), Ricardo Ferraço (PSDB-ES) criticaram os pedidos de empréstimos externos em tramitação no Senado, quase dez. Eles apontaram que as certidões negativas apontadas pelos Estados já estão vencidas. Também criticaram o aumento do endividamento.
 O senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES) pediu a presidente da Comissão de Assuntos Econômicos, Gleisi Hoffmann (PT-PR), que devolva ao Ministério da Fazenda todos os pedidos de autorização para contratação de operações de crédito cuja documentação esteja em desacordo com Resolução do Senado Federal 43/2001. A senadora prometeu analisar a questão de ordem de Ferraço e dar uma resposta na próxima reunião da CAE.
Segundo Ferraço, a situação financeira dos entes envolvidos em operações desse tipo é dinâmica e pode alterar-se significativamente ao longo do tempo.  “Sobretudo numa quadra e numa conjuntura como essa em que os estados e municípios, assim como a União, estão vivendo um ambiente de absoluta deterioração dos indicadores não apenas econômicos, mas também financeiros”, argumentou.
O governador Wellington Dias acompanhou a discussão de ontem na CAE e está otimista com a aprovação dos dois pedidos de empréstimos do Piauí. Os senadores Ciro Nogueira (PP), Elmano Férrer (PTB) e Regina Sousa (PT) entraram na sessão da CAE calados e saíram mudos. Não deram uma palavra em defesa dos empréstimos do Piauí, que foram defendidos pelos senadores José Pimentel (PT-CE) e Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE).(Diário do Povo)

Deixe uma resposta