PUBLICIDADE ELEITORAL PARA SURDOS E CEGOS

As novas regras introduzidas na reforma política de 2015, obrigam os partidos e candidatos utilizarem mecanismos de propaganda acessíveis para surdos e cegos. Essa alteração da lei está dentro do conjunto de acessibilidade que o legislador colocou para facilitar aos quem não ouvem e nem enxergam, a possibilidade mínima de saber o que os candidatos estão propondo aos eleitores, uma vez que eles também votam. Assim, os marqueteiros e as respectivas agências de propaganda, devem contratar pessoal especializado em libras e sistema auditivo para deficientes, sob pena de o candidato sofrer sanções previstas em lei.(Pedro Alcântara)

Deixe uma resposta