Governo não faz e produtores se mobilizam para recuperar trecho danificado da Transcerrado

Proprietários de fazendas no Sul do Piauí têm realizado a manutenção da PI-392, a Transcerrado, com funcionários e máquinas particulares para melhorar o tráfego na rodovia. De acordo com Egon Milla, um dos produtores responsáveis pela recuperação, a manutenção e construção de estradas faz parte do trabalho dos fazendeiros desde a chegada na região há 16 anos.
“Infelizmente o poder público, apesar da grande arrecadação de impostos, não tem nos dado muito apoio. Precisamos investir em algum equipamento, trabalhar muito com os vizinhos e manter um bom relacionamento para manter uma estrada minimamente transitável para receber insumos e escoar a safra”, destacou.
No início do ano, parte do milho colhido em uma fazenda da região ficou na rodovia. A carreta que transportava os grãos ficou atolada e, assim, a carga não chegou ao porto de Fortaleza. O produtor Mikail Laginski contou que os atolamentos são comuns e os veículos chegam a tombar.
“A gente perde parte da carga, o que é um prejuízo para os produtores, e também gera prejuízo para o caminhoneiro, que geralmente tem o caminhão danificado. Como é um trecho muito grande é praticamente impossível ter uma estrada de qualidade para fazer o escoamento da produção”, destacou.
A Associação de produtores de soja e milho (Aprosoja) de Baixa Grande do Ribeiro afirma que a PI-392 recebe há três anos consecutivos o início do serviço de terraplanagem do governo do Piauí, mas nenhum seguiu adiante.
Segundo a Aprosoja, um terço da produção de grãos da região passa pela Transcerrado e o prejuízo é incalculável também para produtores da região de Nova Santa Rosa, em Uruçuí. Conforme o produtor Sávio Scroder, no tempo chuvoso sempre há prejuízos na hora de vender os grãos. (PortalGurgueia)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *