Eleição obriga 24 auxiliares de Wellington Dias a deixarem os cargos

O plenário da Assembleia Legislativa: agora, o número certo de deputados

O plenário da Assembleia Legislativa: agora, o número certo de deputados
Por Cláudio Barros

Esta será uma semana decisiva para a política. Acaba na quarta-feira, 7 de março, o prazo que a legislação eleitoral estabelece para a desincompatilização dos que querem ser candidatos nas eleições do dia 7 de outubro. Isso vai possibilitar uma enorme alteração de nomes na composição do secretariado do governador Wellington Dias e devolverá à Assembleia dez deputados estaduais que estão licenciados para exercerem cargos de secretários de Estado.

Pelo menos 24 titulares de pastas devem deixar a administração estadual, metade deles com mandatos na Câmara dos Deputados (dois) e na Assembleia Legislativa (dez). Com isso, a Assembleia que hoje tem 10 suplentes no exercício de mandatos – e paga, portanto, pelo menos 40 deputados – volta a ter somente os 30 parlamentares previstos na norma legal.
Entre os que saem estão os secretários da Educação, Rejane Dias, e de Segurança, Fabio Abreu, que retornam aos seus mandatos de deputado federal.
Também estão obrigados a deixar os cargos, porque vão concorrer às eleições, dez deputados estaduais licenciados para assumir secretarias de Estado Fabio Xavier (Cidades), Fabio Novo (Cultura), Jannaina Marques (Infraestrutura), Nerinho (Desenvolvimento Econômico), Gessivaldo Isaías (Trabalho), Hélio Isaías (Defesa Civil), Zé Santana (Sasc), Francisco Lima (SDR), Flávio Nogueira (Turismo), Pablo Santos (Fundação Hospitalar).
Os suplentes de deputado Merlong Solano (Governo) e Ziza Carvalho (Meio Ambiente) também devem deixar os cargos. Merlong concorrerá a uma vaga na Câmara dos Deputados e Ziza será candidato a uma vaga de deputado estadual, cargos também buscado por Franzé Silva (Seadprev) e pelo comandante da Polícia Militar, coronel Carlos Augusto.
Marllos Sampaio, da Coordenadoria de Idosos, poderá ser candidato a deputado federal, e assim deixaria o cargo. Outros nomes do segundo escalão que vão concorrer nas eleições de outubro: Paulo Martins, da Fundação de Esportes, Castro Neto, do DER, Francisco Costa, do Instituto de Água, Francisco Guedes, da Fundação de Apoio à Pesquisa, Marcus Vinícius Dias, da Coordenadoria de Modernização e Sâmio Falcão, da Coordenadoria de Combate às Drogas.

Com a saída dos titulares de mandatos, voltam ao limbo da suplência os seguintes nomes: Silas Freire e Mainha (Câmara), Aluisio Martins, B. Sá, Belê Medeiros, Cicero Magalhães, Fracis Lopes, Henrique Rebelo, Ismar Marques, José Hamilton, João de Deus e Mauro Tapety (Assembleia).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *