GOVERNO EMPURROU PROFESSORES PARA GREVE

Segundo Paulina Almeida, a desculpa do limite prudencial da LRF não colou com a categoria dos professores; Rejane Dias assegura que o governo tem boa vontade de pagar o reajuste da Educação (fotos: Jailson Soares | politicaDinamica.com)Segundo Paulina Almeida, a desculpa do limite prudencial da LRF não colou com a categoria dos professores; Rejane Dias assegura que o governo tem boa vontade de pagar o reajuste da Educação (fotos: Jailson Soares | politicaDinamica.com)
Durante a festa de aniversário do governador Wellington Dias, a primeira-dama e deputada federal Rejane Dias (PT), que é também a secretária de Educação, se viu obrigada a comentar a greve dos professores. Estudantes da rede estadual de todas as regiões do Piauí estão sem aula desde o dia 23 de fevereiro.
A secretária de Educação afirma que sempre esteve aberta ao diálogo com os professores e que os alunos não podem ser prejudicados pela greve (foto: Jailson Soares | PoliticaDinamica.com)A secretária de Educação afirma que sempre esteve aberta ao diálogo com os professores e que os alunos não podem ser prejudicados pela greve (foto: Jailson Soares | PoliticaDinamica.com)
Rejane repetiu o discurso oficial da gestão petista: a Lei de Responsabilidade Fiscal impede que o Estado conceda reajuste salarial enquanto não recuar do limite prudencial de gastos com salário. Os professores não engoliram a desculpa, afinal, o Piauí só ultrapassou esse limite no último quadrimestre, após criar novas coordenadorias, outros órgãos e cargos, por exemplo.
Paulina, presidente do SINTE-PI, lembra que o reajuste de 6,81% é apenas um item de uma pauta maior de reivindicações; os professores tentam negociação com Wellington Dias desde novembro de 2017 (foto: Jailson Soares | politicaDinamica.com)Paulina, presidente do SINTE-PI, lembra que o reajuste de 6,81% é apenas um item de uma pauta maior de reivindicações; os professores tentam negociação com Wellington Dias desde novembro de 2017 (foto: Jailson Soares | politicaDinamica.com)(Com informações de Marcos Melo)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *