O que W. Dias vai fazer com a dinheirama dos empréstimos

O empréstimo que o governo do Piauí está autorizado a contrair desde a semana passada com o Banco Brasil Plural, no valor de R$ 1,5 bilhão, será destinado, conforme a lei, a programas com nomes bem otimistas:Piauí Saudável e Seguro, Piauí Inclusivo e sem Pobreza, Piauí com Oportunidades para Todos, Piauí Próspero e Inovador, Piauí Sustentável e Piauí Eficiente e Integrado. O comentário é do jornalista Arimatéia Azevedo, em sua coluna desta segunda-feira.

Empréstimo-ponte

O jornalista diz também que o segundo empréstimo autorizado por lei, de até R$ 1,2 bilhão, será usado exclusivamente para liquidar empréstimos feitos com o governo federal. Segundo a lei (ou seja, de acordo com o governo do Piauí), este empréstimo para pagar empréstimos, vai melhorar o perfil de endividamento do Estado.

Mais empréstimos

Além da grana do Banco Brasil Plural, duas outras leis sancionadas na semana passada autorizam o governo de Wellington Dias a contratar mais dois empréstimos, com o Banco Interamericano de Desenvolvimento e com o Banco do Brasil.

Dólares

Com o BID, o governo vai contratar um financiamento de US$ 15 milhões (R$ 60,8 milhões)destinado a ações de segurança hídrica, conservação ambiental e práticas inovadoras na área rural. Com o Banco do Brasil, o empréstimo será de R$ 100 milhões, a serem investidos em segurança pública.

Crédito Suplementar

Lei estadual, sancionada na semana passada, de número 7.257, determina que o governo do Piauí está autorizado a abrir um crédito suplementar de 1,8 bilhão destinados a cobrir despesas do Fundo de Previdência e de precatórios – dívidas judiciais que o Estado se obriga a pagar.

Origem 

Segundo a lei, essa dinheirama toda virá do excesso de arrecadação oriundo de receitas patrimoniais obtidas com a alienação (venda) de ativos. Não se sabe claramente que ativos seriam esses, porque a lei não listou esse patrimônio bilionário do Estado do Piauí.

 

 

Deixe uma resposta