Emater: “Atendemos o agricultor ao relento, sentados em tocos”,

Saúde, educação, segurança, assistência social, infraestrutura, entre outros serviços. São inúmeras as reclamações do piauiense em relação ao andamento do 4º mandato do governador Wellington Dias (PT). Uma das principais delas, diz respeito ao sucateamento das principais áreas de atendimento a população. No Instituto de Assistência Técnica e Extensão Rural do Piauí (Emater), não é diferente e as condições de funcionamento são precária.

No município de Floriano-PI, por exemplo, os servidores denunciam a falta estrutura adequada para o atendimento ao público. No escritório regional e local do órgão na cidade, faltam cadeiras, mesas, computadores e a estrutura encontra-se completamente deteriorada.

“Como é que o servidor tem condição de atender o agricultor familiar e dar orientação adequada para ele? A situação está séria, estamos atendendo ao relento, sentados em ‘tocos’, embaixo de árvores. Temos até vergonha quando chega um agricultor para orientarmos, porque não tem onde colocá-los”, disse Luiz Rocha Soares, o Rochinha, presidente do Sindicato dos Servidores do Emater ao Portal Encarando.

O presidente ainda relatou que no local faltam materiais básicos para o atendimento ao agricultor e faz um apelo para que sejam tomadas medidas efetivas, por parte das autoridades responsáveis, alertando que a situação influencia na prestação de um serviço de qualidade.

“Não temos mesa, não temos cadeiras, não temos uma estrutura básica para realização dos atendimentos. Esperamos que as autoridades competentes tomem conhecimento dessa situação e haja um solução para que possamos resolver esses problemas e assim atender a população de forma adequada”, disse. (Laurivânia Fernandes)

Deixe uma resposta