Serviço de Proteção aos Vulneráveis (SPV) é um trabalho pioneiro em Parnaíba

Equipe do SPV: professoras Cristiane e Edilene; Advogadas Higima Aguiar e Neves Felizardo

O Serviço de Proteção aos Vulneráveis (SPV), coordenado no município pela Drª Neves Felizardo, cuja sede funciona na Avenida Presidente Vargas, próximo ao Sesc Caixeiral, é um serviço pioneiro no Piauí, ligado à Secretaria Municipal de Saúde. A partir do próximo sábado passa a ser mais um parceiro do programa “Parnaíba em Ação”, que é realizado semanalmente pela Prefeitura, nos diversos bairros da cidade. Sábado próximo (11) será no CEU das Artes, no Conjunto Betânia II, Bairro Piauí.

O Serviço de Proteção aos Vulneráveis tem por objetivo trabalhar a prevenção contra a violência doméstica. Foi o que afirmou uma das integrantes do órgão, professora Edilene Soares. Ela disse também que o órgão está presente hoje em 15 escolas da zona urbana e em 2 da zona rural, onde estão sendo levadas todas as informações sobre a Lei Maria da Penha, com a participação dos professores desses estabelecimentos de ensino.

A advogada Hígima Aguiar, que também faz parte do SPV, disse que o órgão recebe muitas denúncias de violência doméstica, junto com pedidos de medidas protetivas e aí – segundo ela – essas pessoas são orientadas a se dirigirem primeiramente à delegacia da mulher, para o registro de um B.O., para, a partir daí, serem tomadas outras providências.

“É preciso que se esclareça que a violência doméstica não se resume somente na agressão física, mas também existe a violência moral, patrimonial e a violência psicológica”, destacou a advogada.

A Coordenadora do órgão, Dra. Neves Felizardo, disse que o projeto NEV (Núcleo de Enfrentamento à Violência), que antecedeu ao SPV, teve começo, meio e fim. Ela disse que, após o NEV ser finalizado, aconteceram reuniões com o prefeito Mão Santa, com a participação também da vereadora Neta Castelo Branco de Sousa, quando foi colocado que esse projeto não poderia acabar. Daí então surgiu o SPV (Serviço de Proteção aos Vulneráveis) para dar continuidade aos programas de proteção às mulheres contra a violência doméstica, através de um projeto de lei de autoria da vereadora Neta, aprovado pela Câmara Municipal e sancionado pelo prefeito Francisco de Assis Moraes Sousa.

A professora Cristiane Almeida, integrante também do SPV, destacou a importância do Projeto nas escolas municipais porque – segundo ela – “as crianças precisam tomar conhecimento de algumas questões para poderem entender e se defenderem porque os desentendimentos, seguidos de agressões, entre os pais, deixam sequelas nas crianças. Então é preciso que elas tenham conhecimento para poderem entender a situação. Senão, acontecerá simplesmente a reprodução dessa violência com crianças agredindo fisicamente os colegas e até professores achando que é uma coisa normal. Daí a importância desses conhecimentos serem levados às crianças, logo na primeira infância” – concluiu ela.

Reportagem: João Cancio/B.Silva

Fotos: Bernardo Silva

 

Deixe uma resposta