Dra. Marina quis ajudar e está sendo massacrada

Foto: Agência Senado

A médica piauiense Marina Bucar, atua no pico da Pandemia na Espanha e compartilhou algumas de suas experiências exitosas, como a introdução de fármacos como o uso da cloroquina e corticoide na fase precoce da Covid-19, para evitar a progressão da doença para o estágio grave. No país isso foi providencial contra o colapso nos leitos de UTI, seu testemunho foi levado como exemplo para Floriano e Brasil a fora.

O método deu certo em muita gente, e vem dando, não como uma regra, mas coincidentemente ou não, tem diminuído a evolução da doença para um estágio mais grave. Entretanto, a médica acabou sendo intimada pela Justiça Federal para dar detalhes da experiência, que alguns classificaram erradamente, como um protocolo difundido por ela, a partir de uma experiência no país onde estuda e trabalha atualmente.

Segundo Marina, ela tem sido perseguida por técnicos do município de Teresina e do Estado. Uma tremenda sacanagem com a moça, que só compartilhou o que viu e viveu na Europa. Alguns familiares da Dra. também deram uma força para má interpretação, entregando em Floriano esse esforço da profissional a serviço político, e isso foi o que bagunçou.

Ainda veio a não muito ajustada ministra Damares misturar céu e homens, e mais os medalhões da medicina no estado que estão morrendo de dor de cotovelo com a competente medica Florianense. Agora, eles vão ter que agoniar o general Pazuello, no Ministério da Saúde, que transformou em protocolo. A Dra. Marina só quis ajudar!(Por:Sila Freire)

Deixe uma resposta