Lucy questiona estrutura e quantidade de leitos após vistoria no Hospital do Verdão

Em maio deste ano, o Governo do Piauí anunciou a abertura do Hospital de Campanha Estadual (HCE), situado no Ginásio Verdão, centro de Teresina. O anunciado foi que o local possui 103 leitos para tratamento das pessoas com covid-19, no entanto, durante vistoria realizada nesta quarta-feira (8), a deputada estadual Lucy Soares identificou que o hospital tem apenas 55 leitos.  

Paramentada com todos os equipamentos de proteção individual e mantendo o distanciamento mínimo de 1,5 metro, a parlamentar esteve na unidade de saúde para averiguar o funcionamento do local e o atendimento dos pacientes. O HCE recebeu investimento de R$ 5 milhões para que pudesse receber casos de baixa e média complexidade. 

Além da disparidade entre a quantidade de leitos anunciada e a que está em funcionamento, a parlamentar observou outros problemas graves, como a falta de ar comprimido e a utilização de camas inadequadas para atendimento dos pacientes, pois não possuem elevação de cabeceira e proteção lateral. 

“Os respirados, que são instrumentos de fundamental importância para as pessoas internadas, também são inadequados. Devido à ausência de um sistema de canalização de gases, os respiradores são apenas de transporte, os mesmos usados por ambulâncias do Samu”, acrescentou Lucy, que também é integrante a Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa do Piauí. 

    Foto: Fernanda Fernandes

Adicional de insalubridade 

No início deste mês, através das suas redes sociais, a deputada fez um apelo ao governador Wellington Dias: que ele sancione o Projeto de Lei que dispõe sobre o pagamento do adicional de 40% de insalubridade para os servidores públicos estaduais de saúde.

Após a vistoria no Hospital de Campanha Estadual, Lucy Soares reiterou a necessidade do pagamento dessa gratificação, haja vista as condições de exaustão emocional e física a que ficam submetidos neste período de pandemia.  

“O trabalho de cada profissional, desde a área de limpeza até a médica, é admirável e deve ser valorizado. Não podemos deixar de cobrar que sejam dadas condições mínimas para esses profissionais”, disse. (Fonte: AsCom|)

Deixe uma resposta