Opinião:”Interesses eleitoreiros”

Por: José Olímpio

Depois da live do governador, ontem a tarde, anunciando investimentos na Educação, alguém ainda duvida que Sua Excelência não tem o menor respeito pelo professores?

Em sua fala , o governador confirmou o que a coluna já havia previsto: nenhum centavo do precatório do Fundef – R$ 1 bilhão e 600 milhões – vai ser investido na valorização do magistério, como esperava o Sinte-PI.

Há dois anos sem pagar o Piso Nacional de Salário dos Professores, Wellington Dias (PT) alegava sempre a falta de recursos para quitar a sua dívida com a categoria, dizendo que o Estado estava no limite prudencial da Lei de Responsabilidade Fiscal.

O discurso do governador na tarde de ontem foi como uma ducha de água fria na expectativa do Sinte-PI, que já contava como certo que 60% dos recursos seriam destinados ao magistério e os 40% restante para investimentos na rede estadual de educação.

Todo o dinheiro vai para o programa Educar Piauí, para combater o “analfabetismo” no Estado e a “evasão escolar.” 76 obras serão retomadas e 92 novas obras serão iniciadas, além da publicação de 64 licitações já autorizadas. Foi o que anunciou Sua Excelência.

Ou seja, numa rapidez impressionante o governo elaborou um plano de gastos da fabulosa soma que recebeu do Fundef para fazer uma “revolução na educação do Piauí”, sem levar em conta a triste situação do magistério piauiense, há dois anos sem reajuste salarial.

Para Wellington Dias e o senhor Ellen Gera, a educação piauiense deu um salto qualitativo nas gestões petistas e agora atingirá um nível de “excelência” com os investimentos que serão feitos na execução de obras físicas.

Trata-se de um discurso ufanista e vazio desmentido pelo sucateamento das escolas públicas, pela falta de transporte escolar de qualidade, pela desmotivação dos professores, mal pagos e desestimulados, e pelo pífio desempenho de nossos alunos nos rankings do MEC.

Afinal, como falar de educação de qualidade em um governo que vive de fechar escolas e não respeita os professores? O grande problema da educação no Piauí, sem dúvidas, tem raízes fincadas na má gestão e na desvalorização do magistério.

O governo do senhor Wellington Dias anuncia a construção de novas salas de aula quando centenas de prédios escolares foram fechados nas gestões de Sua Excelência. Em Teresina dezenas deles estão de portas lacradas há tempos, por falta de alunos, conforme a Seduc.

Em ano eleitoral, priorizar a execução de obras físicas planejadas às pressas pode até atender aos interesses eleitoreiros do governador e seus aliados nos municípios, mas seguramente não atende aos interesses maiores da educação.(Fonte:Diário do Piauí)

Deixe uma resposta