Lucy Soares dispara contra convocação de suplentes: “como não tem verba para o povo?”

Após reunião da Comissão de Fiscalização e Controle , Finanças e Tributação da Assembleia Legislativa do Piauí (Alepi),  ocorrida na manhã desta quarta-feira (26), que apreciou as emendas parlamentares propostas pelos deputados para a  Lei de Diretrizes Orçamentárias  (LDO) de 2021, a deputada Lucy Soares, em vídeo publicado nas redes sociais, criticou a postura do relator, deputado Francisco Limma (PT), que reprovou todas as emendas da deputada.

Deputada estadual Lucy Soares

Francisco Limma justificou a rejeição de algumas emendas, como a  de autoria do deputado João Mádson (MDB) que alterava as metas fiscais do Estado. O relator também rejeitou emendas de Lucy Soares – nºs 2, 3 e 4  – propondo a  alteração do anexo de prioridades e metas da administração. O deputado argumentou que a rejeição se deu pelo fato de que é necessária a pactuação prévia com os órgãos e Poderes e a discussão da viabilidade com o Executivo, já que algumas delas alteram as regras e metas de órgãos do Estado.

Lucy Soares criticou a reprovação das emendas e o argumento utilizado pelo relator. Segundo a deputada, a justificativa foi a falta de recursos, o que causou ainda mais revolta. Já que a reprovação das emendas propostas veio apenas alguns dias após o governador Wellington Dias empossar mais dois suplentes na Assembleia Legislativa, gerando mais custos para o Estado.

“Nossas emendas à LDO para o ano de 2021 foram reprovadas. E nós não conseguirmos compreender que não haja verba para melhorar nossas escolas e cuidar de nossas mulheres, mas tenha dinheiro para que mais suplentes tomem posse. Não há justificativa. Precisamos fazer política de verdade, olhando para a população”, criticou.

A parlamentar explica que uma das emendas rejeitadas determinava que 27 escolas que se encontram em situação precária localizadas na capital e no interior fossem incluídas em um plano de reformas a ser executado com os precatórios do Fundef. “Será que R$ 1,6 bilhão não é suficiente para reformar as escolas do Estado?”, questionou a deputada. (Parlamento Piauí)

Deixe uma resposta