Fatura de dívidas adiadas na pandemia começa a chegar para empresas

A conta das dívidas e pagamentos adiados para tentar conter os impactos da crise do coronavírus começa a chegar ao caixa das empresas. Com o faturamento ainda aquém dos níveis pré-pandemia e baixa demanda, empresários focam em controle de custos e novas renegociações de crédito para sobreviver até o ano que vem.

Além dos débitos que os bancos prorrogaram por até 180 dias –prazo que já começa a vencer a partir de outubro–, parcelas dos tributos adiados pelo governo e a volta do pagamento integral de aluguéis e da folha de salários também podem coincidir nos próximos meses e, segundo especialistas, aumentar os níveis de inadimplência.

Para as empresas que conseguiram pegar a primeira leva do Pronampe (Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte), entre junho e julho, os primeiros pagamentos devem começar a acontecer entre fevereiro e março do ano que vem, quando acabam os oito meses de carência do programa.

Deixe uma resposta