Wellington assume Consórcio implicado em escândalo de R$ 48,7 mi

A imprensa companheira noticia com muito estardalhaço: o governador Wellington Dias foi eleito presidente do Consórcio Nordeste. Do que se trata, afinal? É a junção dos nove estados do Nordeste para defesa de interesses políticos da esquerda.

Governador do Piauí à frente do Consórcio de governadores do Nordeste (Foto/Tribuna do Norte)

A eleição do piauiense não quer dizer absolutamente nada. O presidente anterior era Rui Costa, governador da Bahia, que assumiu com a criação do movimento, em março do ano passado. Isso não fez nenhuma diferença para o Nordeste nem para a Bahia.

Para o Piauí, será a mesma coisa. O que existe são agravantes: depois de criado, o dissonante consórcio esteve implicado em alguns dos maiores escândalos da atualidade. Autorizados pelo Consórcio Nordeste, durante a Pandemia, os governadores compraram 300 respiradores, ao custo de R$ 48,7 milhões. Os equipamentos nunca foram entregues.

O MPF instaurou um inquérito para investigar a compra. Os 300 equipamentos foram adquiridos junto à empresária Cristiana Prestes, dona da Hempcare, que alegou ter procurado a Biogeoenergy para comprar os equipamentos depois que falharam os planos de adquiri-los de um fabricante chinês.

Quanto a Biogeoenergy, seu proprietário, Paulo de Tarso, declarou que não devolverá os valores recebidos. Alega que tratou com o governo da Bahia e não com o tal Consórcio. O caso passou para o para o Superior Tribunal de Justiça e a Polícia Federal.

Isso aconteceu depois que o Ministério Público Estadual abriu mão da apuração em favor do Ministério Público Federal e a juíza Virgínia Silveira, da 2ª Vara Criminal Especializada de Salvador, do Tribunal de Justiça da Bahia, alegou que havia uma autoridade com foro por prerrogativa de função investigada. (Toni Rodrigues)

Deixe uma resposta