Entrevistas recorrentes deixam Mourão longe da reeleição em 2022

Vice-presidente Hamilton Mourão em entrevista ao jornalista Cláudio Humberto, na Rádio Bandeirantes. Foto: Youtube/CapturaÁvido leitor de jornais, vice virou comentarista do cotidiano, do jogo do Flamengo a compra de vacina

Hamilton Mourão contraria a tradição brasileira de vices discretos, que só se movem ou falam para ajudar o governo ou cumprir missão confiada pelo presidente da República. Ávido leitor de jornais, virou comentarista do cotidiano, do jogo do Flamengo no Brasileirão ao “anúncio” de que o governo pagará a conta da vacina de João Doria. Perguntou, respondeu, frequentemente causando embaraços ao governo. O que poucos sabem ou fingem não saber, é que ele não tem poder e nem fala pelo governo. E dificilmente vai compor a chapa de reeleição de Bolsonaro, em 2022. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

Com frases bem articuladas, que agradam a imprensa, Mourão é usado para mostrar que o vice tem de sobra o que falta ao titular: bom senso.

No Planalto, alguns militares influentes têm insistido para que Bolsonaro ocupe o tempo de Mourão com tarefas de governo.

Bolsonaro não gosta da ideia de ocupar o tempo de Mourão pela mesma razão que o vice fala sem medo de ser feliz: ele foi eleito, é indemissível.

O Brasil teve vices sempre elogiados pelos presidentes pela discrição e atitude colaborativa, como Marco Maciel, José Alencar e Michel Temer

Deixe uma resposta