O Exército e o oxigênio trazido ao Hospital Dirceu: Quem é o pai da criança???

Atiradores do TG 10.012 dando apoio ao descarregamento da carga

Parnaíba precisa evoluir também no debate político. Ir além da politicalha e da demagogia barata, focando naquilo que realmente é importante, sem a preocupação de idolatrar pessoas, principalmente se estas forem “ídolos” de barro.

Desde o domingo último, quando foi divulgado que o Exército Brasileiro no Piauí, através do 25º Batalhão de Caçadores, havia trazido um carregamento de oxigênio para reforçar o estoque do Hospital Dirceu Arcoverde (Heda), que a fofocada come solto nas redes sociais, com gente procurando o pai da criança, para desviar o foco da questão. Tudo porque a matéria informa que a ação resultou de articulação do secretário estadual de saúde, Florentino Neto, junto ao Exército, para resolver esta questão de logística no transporte do produto de Teresina para Parnaíba.

De imediato foi replicado no facebook que tudo aconteceu porque o presidente Bolsonaro se empenhou por ser amigo do prefeito da cidade: Admitamos que isso seja verdadeiro –e não é-  cabe este tipo de bobagem quando o cerne da questão é outro? Diz respeito a salvar vidas, minha gente!

Por baixo desta publicação imbecil está a tentativa de tirar todo e qualquer mérito do governo do Estado/secretaria de saúde, com essa ação em favor de quem está no hospital com Covid.  Mas o que interessa isso? Isso é importante, quando pessoas estão perdendo vidas por conta da falta de oxigênio? É mais importante é saber quem levou o oxigênio até o hospital ou salvar a vida do paciente que necessita respirar?!!!

E daí espalharam-se as notícias distorcidas

Esclarecendo de novo: O Exército Brasileiro, através do 25º Batalhão de Caçadores (25 BC) e o 2º Batalhão de Engenharia e Construção (2º BEC).  por intermediação da Secretaria da Saúde do Estado, está apenas ajudando, por 30 dias,  no transporte dos cilindros de 0xigênio, ação que era feita, com dificuldade, em carros da fornecedora do produto, White Martins (em Teresina), da Secretaria de Saúde e do próprio HEDA. Informação dada na TV Clube, pela diretora do Hospital Dirceu, Marisa Correia. Onde entra Bolsonaro nisso???

Aliás, nesta segunda feita chegou no Heda outro carregamento de Oxigênio, trazido de Teresina pelo 2º Batalhão de Engenharia e Construção (2º BEC). Será assim, daqui pra frente, de acordo com a parceria…

É necessário refletir obre o seguinte: o nível desesperador de colapso a que chegou o setor saúde pública em todo o país é culpa de quem? É de agora ou é o resultado de uma série de omissões de governantes, irresponsabilidades que ocorreram ao longo dos tempos, onde a prioridade não foi a saúde? Inclusive quando se deu prioridade à construções de estádios, hoje sem serventia alguma, ao invés de hospitais? Pense nisso!!!

Deixe uma resposta