Apesar das mortes em alta governo admite reduzir as restrições no Piauí

O Centro de Operações Emergenciais (COE) avalia diariamente a situação da pandemia no Piauí, inclusive dando a palavra final sobre a adoção ou não de novas medidas restritivas no estado. Apesar das mortes continuarem em alta –  foram mais 35 mortes nesta segunda-feira (26) -, o governo não descarta avançar na diminuição das restrições.

No entanto, o secretário de Estado da Saúde, Florentino Neto, adverte que em havendo um crescimento dos números da Covid-19 no Piauí, novos decretos com mais restrições serão assinados.  “É claro que em qualquer momento, havendo uma análise técnica da necessidade de medida mais restritiva, ela haverá de ser tomada a bem da saúde de todos”, avisou.

“Está estabilizado na alta, mas temos uma tendência de estabilização. A fila por leitos clínicos e de UTI vem diminuindo a cada dia e temos a diminuição da média móvel do número de óbitos. É importante que a gente entenda que, gradativamente, temos que olhar para os setores econômicos e entender que se foi possível eles colaborarem até aqui, é possível que a partir do momento que os dados se mostrem menos graves, que nós possamos também ter uma evolução e diminuição das restrições e é efetivamente o que está acontecendo”, explicou o secretário.

“Esses dados não demonstram que temos uma tranquilidade, que podemos diminuir as medidas que cada um tem que tomar em relação ao uso de máscara, higienização das mãos, ao distanciamento entre as pessoas. Tudo isso continua”, reforça Florentino Neto.

 “Não podemos penalizar todo um setor, que temos ali garçons, cozinheiros, pessoal da limpeza, empresários, enfim, todo o setor, em razão da desobediência de alguns. A pena não pode ultrapassar daquele que efetivamente cometeu a infração. Neste momento é possível fazer este avanço, em sendo necessário o retrocesso para medidas mais restritivas, será dialogado com os setores, sociedade e adotar sem nenhum receio, pois é para preservação da vida”, acrescentou o secretário (Fonte: Sesapi)

Deixe uma resposta