Mão Santa confirma fechamento da Embrapa de Parnaíba

O prefeito de Parnaíba, Mão Santa confirmou que por decisão da ministra da agricultura pecuária e abastecimento, Teresa Cristina, depois de trinta anos de atividade, a Embrapa vai fechar no litoral piauiense, deixando projetos do setor primário desassistidos e 58 funcionários desempregados.

O presidente da Câmara de vereadores de Parnaíba, Carlson Pessoa, e o vereador David Soares tentaram manter a Embrapa na cidade mas com argumento de que a piscicultura não era atividade fim da entidade, o governo federal manteve a decisão de fechar.

O Sindicato Nacional dos Trabalhadores de Pesquisa Agropecuária (Embrapa, Codevasf e outras empresas públicas de pesquisa agropecuária) – SINPAF, publicou uma matéria denunciando desmonte e transferências compulsórias da Unidade de Execução de Pesquisa (UEP), em Parnaíba (PI).  Além das transferências de equipamentos de pesquisa e fechamento de laboratórios, 55% dos trabalhadores estão sendo transferidos compulsoriamente para Teresina, cerca de 340km de distância de Parnaíba.

O chefe-adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Meio-Norte, Edvaldo Sagrilo, publicou um despacho, no Sistema eletrônico de Informações (SEI), afirmando que as movimentações de empregados da UEP, em Parnaíba (PI), estão ocorrendo por determinação do presidente da Embrapa, Celso Moretti.

No documento, Sagrilo também solicita que os gestores da empresa façam uma revisão acerca das movimentações de empregados da UEP. 

“Fiquei surpreso com esse despacho. Difícil acreditar que o presidente da empresa determinaria qualquer ação com o objetivo de prejudicar a continuidade de projetos de pesquisa em andamento ou a serem realizados na Embrapa de Parnaíba. Nós, do SINPAF e todos os empregados da Embrapa, aguardamos ansiosos pela resposta do presidente Celso Moretti sobre o teor desse documento”, disse o presidente da Seção Sindical Parnaíba, Raimundo Nonato Júnior.

A Diretoria Nacional do SINPAF continua em mobilização em defesa das trabalhadoras e trabalhadores e pela manutenção da UEP. “Além de respostas, aguardamos também que essas transferências sejam paradas urgentemente”, enfatizou Marcus Vinicius Vidal, presidente nacional do SINPAF.

Além das transferências de equipamentos de pesquisa e do fechamento de laboratórios, os gestores da Embrapa tomaram a decisão de transferir compulsoriamente 55% do quadro de trabalhadores para a Embrapa Meio-Norte, localizada em Teresina, cerca de 340km de distância de Parnaíba.

Pesquisadores da UEP Parnaíba protocolaram no Sistema eletrônico de Informações (SEI) da Embrapa um documento para que o Comitê Técnico Interno (CTI) da Embrapa Meio-Norte afirmando que todos os projetos serão prejudicados e/ou descontinuados caso essas transferências ocorram, bem como o desmonte da Unidade.

“Sem o suporte do pessoal de apoio especializado será inviabilizado a implantação dos projetos, não permitindo o atendimento das demandas do setor produtivo e o compromisso firmado entre a diretoria da Embrapa e a sociedade. Para atendimento necessário e eficiente das ações de pesquisa executadas na UEP de Parnaíba, para obtenção dos resultados já programados nos projetos atuais, é preciso a manutenção de uma equipe mínima de apoio para as análises laboratoriais e a manutenção dos equipamentos utilizados”, diz o documento.

De acordo com o presidente da Seção Sindical Parnaíba, Antônio Raimundo Júnior, “existe uma demanda local do setor agropecuário, como o distrito de irrigação que está em fase de finalização, assim como os projetos de manejo e gestão ambiental da aquicultura, viabilidade da pequena e média exploração do cajueiro, estratégias para a sustentabilidade da produção de acerola orgânica irrigada, entre outros.

O sindicato, trabalhadores/as da Embrapa, políticos, associações de agricultores, associação comercial, todos estão mobilizados para tentar frear essa desestruturação que vai impactar economicamente a geração de renda na região do Baixo Parnaíba Piauiense. (Tereza Val)

Deixe uma resposta