Promédica: Um ano de reabertura para salvar vidas no tratamento da Covid-19

Domingo último, dia 13, fez um ano que a  Promédica foi reaberta pelo Governo do Estado, através da Secretaria de Saúde, após tratativas com os proprietários daquela unidade hospitalar, para funcionar como Anexo I do Hospital Dirceu Arcoverde, no tratamento de Covid-19.

Promédica: Anexo I do Hospital Dirceu Arcoverde para atendimento Covid-19

“Neste período tivemos 2.101 pessoas que tiveram internados aqui, com uma taxa de 3 a 4 por cento de letaldiade, apenas. Tivemos muito êxito, embora se divulgue mais as mortes, Mas nós conseguimos que em torno, aproximado, de 97 por centro dos internados da Promédica saíssem recuperados, retornando às suas familias. É uma grande vitoria”, comemora a enfermeira Bernardete Leal, diretora da referida Unidade. E enfatiza: “Pra mim é um orgulho muito grande estar à frente desse serviço e dizer que tudo o que você possa imaginar nós fizemos para contribuir em salvar vidas, levando  de volta às suas familias aquele ente que chegou aqui à procura de assistência. Infelizmente às vezes aconteceu de não  conseguirmos,  mas a maioria das vezes vencemos”- frisa a diretora.

Bernardete Leal explicou também que a transferência,  em breve, para o Hospital Nossa Senhora de Fátima, da maioria dos procedimentos iniciais do tratamento de Covid-19 é por conta do oxigênio que, não é canalizado na Promédica. “No nossa Senhora de Fátima o oxigênio é todo canalizado, graças à providência do nosso secretário Florentino Neto. Foi uma preocupação dele, que teve que montar toda uma estrutura neste sentido. E a Promédica não tem a canalização no momento, razão pela qual vai ficar só com pacientes de baixo fluxo e em ar ambiente. Ficaremos com 20 leitos ativos e 20 de retaguarda”- destacou Bernardete.

Segundo ela, há a garantia do secretário Florentino Neto de que muito em breve a Promédica também terá canalização de oxigênio  e, posteriormente, quando estiver ocorrendo a reforma do Hospital Dirceu, que está prevista para breve, “nós  iremos funcionar com alguma clinica de lá, obstetrícia ou pediatria. O importante é que não vai ser desativada. Apenas a porta de entrada para Covid vai ser transferida para o Nossa Senhora de Fátima. Nós vamos continuar com o Busca Ativa, aqui na frente do hospital,  atendendo os pacientes com  baixo fluxo e pacientes paliativos”, finalizou a diretora.

Deixe uma resposta