Ciro Nogueira usa CN Motos para alugar mansão de amigo de Flávio Bolsonaro

O ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira (PP), usou a filial de sua empresa de venda de motos no Piauí, a CN Motos, para alugar em 2021 uma mansão no Lago Sul em Brasília comprada meses antes por um advogado amigo do senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) e blindado na CPI da Covid no Senado. As informações são da Folha de São Paulo.

Willer Tomaz de Souza, 40, comprou a mansão por R$ 4,55 milhões em outubro de 2020. Em janeiro, pegou as chaves do imóvel.

Um dos líderes do centrão, Ciro se mudou para a casa em abril, quando ainda exercia o mandato de senador pelo PP do Piauí. Desde 28 de julho, é ministro do governo Jair Bolsonaro (sem partido) e despacha no Palácio do Planalto.

A casa tem 632 metros quadrados construídos. Possui quatro suítes, hidromassagem, piscina, sauna, churrasqueira e elevador. A casa é alugada, para fins residenciais, pela Ciro Nogueira Comércio de Motocicletas Ltda, mais especificamente pela filial que fica em Teresina.

O uso de um CNPJ no aluguel de um imóvel de luxo com fim residencial não é a praxe nesse tipo de negócio, segundo corretores que atuam no Lago Sul, uma das áreas mais nobres de Brasília.

A filial usada no contrato de aluguel não foi declarada pelo então candidato à Justiça Eleitoral em 2018, ano em que se reelegeu senador. Ciro declarou a matriz, sediada em Caxias (MA), que tem capital social de R$ 20 milhões. Segundo procuradores da República que atuam na área eleitoral, filiais também precisam ser declaradas pelos candidatos.

O valor do aluguel é de R$ 15 mil. Estaria abaixo do preço de mercado na região da mansão, conforme corretores e profissionais que atuaram diretamente no negócio de venda da casa. O aluguel do imóvel vale entre R$ 25 mil e R$ 30 mil, de acordo com esses profissionais.

Ciro armou para tentar esvaziar a CPI da Covid. Quando era titular, fez intervenções na comissão em defesa de barrar testemunhas e quebras de sigilos. Com a ida dele para o Planalto, Flávio Bolsonaro passou a ser suplente na CPI.

O relator, senador Renan Calheiros (MDB-AL), colocou Willer na mira das investigações a partir de junho, quando ganharam força as investigações sobre suspeitas de corrupção na negociação de vacinas.

A compra da casa foi intermediada por corretores, em nome da WT. Willer financiou R$ 3,64 milhões no banco, a serem pagos em 35 anos.

O contrato de aluguel não tem testemunhas nem previsão de garantias. Foi assinado em 12 de abril, retroagindo a 1° de abril.

OUTRO LADO

Procurado pela Folha, Ciro Nogueira não se manifestou, até a publicação deste texto, sobre o uso da empresa para o contrato do aluguel. Anteriormente, afirmou que “paga religiosamente” o valor previsto.

Willer afirmou que todo o negócio foi regular, que não foi de fachada e que “a relação não é promíscua”. No primeiro contato feito pela reportagem, em 18 de agosto, o advogado disse ter 43 casas no Lago Sul. “Estou comprando hoje a 44a casa”, afirmou.(Fonte: FOLHA DE SÃO PAULO)

Deixe uma resposta