Governo proíbe licitações individuais em 34 hospitais e adota compra coletiva

A partir deste mês, o governo do estado adota um novo procedimento de compras para os 34 hospitais públicos estaduais. 

O governo quer controlar os gastos das unidades hospitalares e determina a compra coletiva para todos os hospitais do estado. A primeira compra já está em andamento e será para medicamentos de UTIs. 

Antes da nova medida, cada hospital fazia seu processo de licitação de forma individualizada e agora será feita uma compra única.

“A  compra centralizada resulta em um menor custo e melhor qualidade do gasto público. Essa redução de gasto acontece em virtude da padronização dos itens e de compra em grande escala podendo assim reduzir o custo unitário de cada item”, disse Florentino Neto, secretário estadual de Saúde. Já adotam a compra centralizada os estados do Ceará, Maranhão, Goiás, Distrito Federal e São Paulo.  

O secretário Florentino Neto afirmou que é uma decisão de governo e que vai reduzir em 20% os gastos na área da saúde. “Resolvemos implantar o novo sistema após estudos e observar que a maioria dos estados já adota”, afirmou. 

O novo modelo, vale para as compras de medicamentos, material médico hospitalar, insumos, gêneros alimentícios e materiais de limpeza utilizados nas unidades hospitalares.

 “Visa também que a gente tenha uma previsão orçamentária mais adequada aos gastos da saúde, visando que os próximos anos se evite suplementação do orçamento”.  Hoje, todo o gasto da saúde é de R$ 1 bilhão e meio.

“Com o novo modelo queremos favorecer uma economia de 20%. Patroniza os gastos, promove compras em escala maior e consequentemente favorece o controle e economia”. (Flash Yala Sena)

Deixe uma resposta