PSL/DEM, um casamento de 900 milhões de reais

ICMS com bandeira da “escassez hídrica”vai encher cofres estaduais. Foto: Jeso Carneiro/Flickr

Se prevalecer o valor do Fundo Eleitoral pornográfico de R$5,7 bilhões para 2022, definido na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), PSL e DEM terão quase R$900 milhões extraídos dos bolsos dos pagadores de impostos para financiar suas campanhas, após a fusão. O presidente Jair Bolsonaro vetou esse dispositivo da LDO, derrubando-o para R$2,4 bilhões, mas o Congresso se prepara para retomar o valor original.

Só pensam naquilo

O “casamento de interesses” de PSL e DEM inclui os valores do Fundo Partidário, dinheiro tomado dos cidadãos para sustentar as siglas.

Jantares, jatinhos…

Só em 2021 o PSL embolsará do Fundo Partidário R$104 milhões, R$8,7 milhões ao mês, e o DEM R$43 milhões, no mensalão de R$3,5 milhões.

Novo manda bem

O Partido Novo é o único que tem a dignidade de recusar Fundo Eleitoral ou Partidário. Suas contas são bancadas pelos próprios filiados.(Cláudio Humberto)

Deixe uma resposta