“Dizer que a vacina pode infectar com o vírus da AIDS é um absurdo”, diz WDias sobre Fake News de Bolsonaro

Dentre as inúmeras fake News que costuma propagar, o presidente Bolsonaro disse semana passada que pessoas vacinadas estão desenvolvendo Aids.

Jair Bolsonaro / Wellington Dias

Hoje o governador do Piauí, Wellington Dias, usou o twitter para contradizer o presidente: “Espero que os brasileiros procurem fontes confiáveis de informações e não caiam em mais uma Fake News disparada por este governo. Causar o pavor com mentiras não é o papel de um chefe de estado. Dizer que a vacina contra a Covid-19, que só tem trazido proteção à sociedade, pode infectar com o vírus da AIDS é um completo absurdo.”

Bolsonaro já havia side desmentido por organizações ligadas à área da saúde e profissionais deste setor. A microbiologista Natalia Pasternak usou o Twitter para ressaltar que nenhuma vacina faz com que as pessoas desenvolvam aids. O médico e pesquisador de saúde Daniel Dourado também usou a plataforma para informar as pessoas da maneira correta. “Não existe nenhuma possibilidade de a vacina causar aids, zero. Qualquer que seja a vacina. É isso que precisa ser divulgado de forma clara e direta”, disse.

A classe política também reagiu. Diversos deputados da oposição ressaltam a característica criminosa da declaração de Bolsonaro. “Bolsonaro mais uma vez usou documento falso para atacar as vacinas e associá-las a aids. Lamentável que essa seja a prioridade do presidente de um país com mais de 600 mil mortos, 20 milhões de famintos e 14 milhões de desempregados. Mais um crime na ficha de Bolsonaro”, disse o líder da minoria na Câmara, Marcelo Freixo (PSB-RJ).

O deputado federal Alexandre Padilha (PT-SP), que é o coordenador da Frente de Enfrentamento ao HIV/aids/hepatites virais no Congresso Nacional, disse em seu perfil na rede social que pretende entrar com “medidas jurídicas” contra o presidente pela fala.

FOTO: TWITTERWellington Dias

Wellington Dias

Deixe uma resposta