Enfermagem municipal continua nas ruas pedindo socorro

A luta é por respeito e valorização, coisa que parece não existir para com os servidores públicos, em se tratando de administração municipal. Há quantos dias o pessoal da Enfermagem do município de Parnaíba está nas ruas pedindo o cumprimento da lei e de acordos firmados e não cumpridos junto à prefeitura? Chega a ser desumano o tratamento que estão recebendo, da gestão Mão Santa, aqueles que lutam para salvar vidas.

Não existe canal de negociação. Há embromação e insensibilidade, de parte de um prefeito que é médico e que sabe que este gesto de omissão implica diretamente na saúde do povo e atrasa, inclusive, o calendário de vacinação contra Covid no município. Mas, para ele e seus asseclas, parece que está tudo bem e se vive num mar de rosas.

E OS VEREADORES???

Enquanto diversas categorias reclamam do descumprimento das leis que lhes asseguram direitos, a maioria dos vereadores cala. Ontem mesmo, durante a sessão, que tivemos a oportunidade de acompanhar en passant, no facebook, gastaram mais de 15 minutos falando no secretário de governo, Fábio Barros, que está sendo convocado para ir à Câmara prestar esclarecimentos, a vereadores descontentes com o secretário.

Fábio Barros e  Mão Santa

Segundo a lei, lida pelo presidente da Casa, Carlson Pessoa, quando convocado o secretário tem obrigação de atender a convocação. Não tinha mais  que perderem tempo dando importância a alguém que até ontem era um ente invisível. E que tem todo o poder que arrota hoje, porque a gestão é do Mão Santa. E somente em gestão de Mão Santa certas pessoas passam de invisíveis para Doutores. Mas, afinal, quem é Fábio Barros na fila do pão???

EM TEMPO: Foi dito na sessão que já teve vereador que até já pediu ao Mão Santa a cabeça de Fábio Barros. O prefeito fez ouvido de mercador. Também pediram a minha, quando fui superintendente, e até aprovaram contra mim uma Moção de Repúdio, como aprovaram outra para o próprio Mão Santa. Depois disso, nunca mais dormi(por B. Silva)

Deixe uma resposta