Opinião: Ciro Nogueira X W. Dias: duas faces da mesma moeda

Com a divulgação da última pesquisa para Governo do Estado em que Ciro Nogueira apareceu apenas um pouco na frente de Rafael Fonteles e Iracema Portella chega a perder do candidato petista em alguns cenários, não resta dúvida: OS PIAUIENSES JÁ ENTENDERAM QUE CIRO NOGUEIRA E WELLINGTON DIAS SÃO DUAS FACES DA MESMA MOEDA.
Ciro Nogueira tem criticado a segurança pública, a má qualidade das estradas e a falta de perspectiva de crescimento no Governo Wellington Dias. Mas, quando isso foi diferente? A Segurança Pública começou a piorar consideravelmente nos últimos 10 anos e, mesmo assim, Ciro nunca disse nada.
Ciro era aliado de Wellington Dias quando a barragem de Algodões rompeu. O Governador SABIA, antes do acontecimento, dessa possibilidade e mesmo assim não fez nada – o que leva Wellington Dias a responder por homicídio da população de Cocal. O que Ciro falou sobre esse crime? ABSOLUTAMENTE NADA.
Quando as facções criminosas começaram a dominar o Piauí, rendendo e assassinando piauienses – por volta de 2018 se intensificou bastante a atuação desses grupos – Ciro não se manifestou uma única vez pela Segurança Pública. Ao contrário: em 2018, o atual Ministro da Casa Civil pediu votos para Wellington Dias, Haddad e Marcelo Castro.
Se tem uma coisa que as pesquisas divulgadas hoje revelaram é que Ciro Nogueira e Wellington Dias são indissociáveis na mente da população. Eles eram aliados há pouco mais de um ano e a briguinha dos dois não convence ninguém.
A verdade é que Ciro Nogueira pediu para ser o candidato de Wellington Dias ao Governo do Estado, mas o governador não aceitou (a única vez que o PT cedeu o poder para outro partido foi em 2010 para Wilson Martins).
O rompimento de Ciro com Wellington foi apenas por conta da insatisfação na recusa do nome do progressista e não por divergir de sua gestão e qualquer divergência é apenas um teatro dos dois lados. PT e Progressistas são iguais. Ciro e Wellington são gêmeos siameses.(Fonte:O Piauiense)

Deixe uma resposta