Oposição no Piauí tem data para lançamento de propostas mas ainda não definiu candidato

O bloco da oposição liderado pelo Progressistas e PSDB, que até o atual momento protagoniza a disputa pelo Governo do Piauí contra o grupo do governador Wellington Dias (PT), deve ser o primeiro a lançar suas propostas de governo para as eleições de 2022. Apesar de já ter data marcada para o lançamento, que será no próximo dia 22 de novembro, o grupo ainda não definiu quem de fato será o candidato ao governo e quem será o vice. Até agora o que se sabe é que no trio composto por Iracema Portella (PP), Silvio Mendes (PSDB) e Joel Rodrigues (PP), nenhum tem vaga confirmada, até mesmo o prefeito Joel, apesar de ter nítida preferência, também disputa na chapa a vaga na pré-campanha ao senado com o tucano Kleber Montezuma.

Iracema Portella e Silvio Mendes (foto: reprodução Instagram)

Enquanto isso, os líderes de ambos os partidos dizem que a definição do nome do candidato ao governo e do vice deverá ser decidido somente no fim deste ano ou início de 2022, com base em pesquisas eleitorais internas e externas. Até o momento, as pesquisas realizadas por diversos institutos vêm dando a liderança das intenções de voto ao pré-candidato Silvio Mendes, enquanto a deputada Iracema aparece em terceiro, atrás do pré-candidato Rafael Fonteles (PT), que representa o atual governo. 

Nos bastidores, o que se comenta é que os Progressistas querem prolongar o quanto puderem essa escolha, para tentar emplacar a todo custo o nome de Iracema Portella que ainda não ‘vingou’ nas pesquisas, mas seria mais confiável. O partido do ministro Ciro Nogueira (PP) poderá levar em consideração a preferência dos líderes políticos dentro do partido, que sem sombra de dúvidas preferem o nome da deputada como candidata ao governo, que é do próprio partido e pode ter um trato melhor com os gestores. 

Não é segredo para ninguém que apesar de ter o nome forte na capital, com boa porcentagem das intenções de voto dos teresinenses, o ex-prefeito da capital pode ter ainda seu nome visto com desconfiança por líderes do Progressistas, principalmente no interior. Vale lembrar que Silvio foi eleito prefeito de Teresina em 2004 e reeleito em 2008, ambos as vezes com apoio do grupo do ex-prefeito Firmino Filho (PSDB). Entretanto, Silvio deixou a prefeitura em 2010 para ser candidato ao governo do Piauí, quando acabou derrotado pelo então governador Wilson Martins (PSB). Naquela época, atribuiu-se a derrota ao baixo poderio dos tucanos de angariar votos no interior. 

Nesse período, Firmino não participou efetivamente da campanha de Silvio, dando brechas para que falassem nos bastidores que os tucanos estariam com divergências políticas. Na época, após deixar a prefeitura para se candidatar ao governo, Silvio deixou o cargo de prefeito nas mãos do seu vice Elmano Férrer (do PTB naquela ocasião). O então prefeito Elmano se candidatou à reeleição em 2012, porém foi derrotado por Firmino Filho, que voltou a ser candidato a prefeito, sendo eleito ainda por mais dois mandatos (2012/2016).

Como não podia mais ser candidato nas eleições municipais de 2020, o saudoso Firmino Filho demorou alguns meses para definir quem apoiaria como candidato à Prefeitura de Teresina, mesmo tendo o nome de Silvio apontado como preferência do eleitorado. Entretanto, o prefeito Firmino preferiu ‘tirar um coelho’ da cartola e apostar no nome do seu secretário Kleber Montezuma (PSDB) como candidato ao Palácio da Cidade, mas acabou derrotado no segundo turno pelo agora atual prefeito de Teresina, Doutor Pessoa (MDB). Por conta disso, nos bastidores muito se comentou que Firmino teria resistência ao nome de Silvio Mendes, que foi deixado de lado na recente eleição municipal de 2020. Porém, o próprio Firmino não confirmou oficialmente esse desentendimento político com o amigo Silvio.

O certo é que não é só entre os políticos da capital que o nome de Silvio ainda é visto com certa desconfiança. No interior, parte dos prefeitos tem mostrado pelas redes sociais que o nome de Iracema tem sido mais abraçado em suas visitas como pré-candidata e já a colocam como a candidata da oposição.

Resta agora a pergunta se Ciro vai confiar no nome de Silvio à frente de uma chapa da oposição e dar ainda todo suporte do Progressistas para o tucano ser o candidato principal da chapa, deixando de lado seu ‘sonho’ de governar o Piauí, mesmo que por tabela. Outro questionamento é se Silvio vai aceitar ser vice na chapa da oposição, mesmo tendo seu nome preterido nas pesquisas ou terá ‘peito’ para sair da chapa comandada pelo Progressistas e mais uma vez bancar sua candidatura solo ao governo do Piauí, semelhante ao que fez em 2010, quando acabou não tendo êxito.(Política Dinâmica)

Deixe uma resposta