Para concorrer com Lula e Bolsonaro, Moro terá de esconder alguns dos novos aliados

Charge do Duke (O Tempo)

Bernardo Mello Franco
O Globo

A cada três décadas, o Brasil elege um salvador da pátria que promete acabar com a corrupção. Em 2018, Jair Bolsonaro reciclou o discurso moralista de Fernando Collor em 1989. Os dois seguiram a trilha de Jânio Quadros, fenômeno eleitoral de 1960.

Jânio subia ao palanque com uma vassourinha. Prometia usá-la para varrer a bandalheira da política. Como Collor e Bolsonaro, elegeu-se por um partido de aluguel, o PTN. A sigla foi extinta na ditadura, ressurgiu na democracia e mudou o nome para Podemos. Na semana que vem, lançará Sergio Moro como pré-candidato ao Planalto.

CAÇADOR DE CORRUPTOS – O ex-juiz se projetou com a imagem de caçador de corruptos. Depois abandonou a toga, virou ministro e caiu em desgraça ao romper com Bolsonaro e ter sentenças anuladas pelo Supremo. Ontem ele começou a distribuir convites para o ato de filiação. Escolheu o Dia de Finados para tentar ressuscitar na cena política.

Moro disputará espaço na terceira via, que hoje tem muitos candidatos e poucos votos. No fim de setembro, ele apareceu com 5% numa pesquisa do Ipec. Amargou um modesto quarto lugar, bem atrás de Lula (45%) e Bolsonaro (22%) e embolado com Ciro Gomes (6%).

Fãs de Moro dizem que ele pode furar a polarização entre o atual presidente e o ex. Mas duas rejeições não bastam para fazer um candidato. Além disso, pesquisas mostram que a corrupção desabou no ranking de preocupações do eleitor. E o ex-juiz só conta com a memória desbotada da Lava-Jato.

SEM VIDA FÁCIL – Detestado por petistas e bolsonaristas, o presidenciável não terá vida fácil em 2022. Precisará explicar a tabelinha ilegal com procuradores, o desempenho pífio como ministro e a atuação nebulosa como consultor. Além da decisão de concorrer por um partido de má fama.

No domingo, o jornal O Estado de S.Paulo começou a expor os rolos do Podemos. A presidente da sigla é investigada por lançar candidatas laranjas. O secretário-geral recebeu dinheiro vivo no mensalão do DEM. Antes de convidar o ex-juiz, a legenda apostou em personagens como o ex-jogador Romário e a dançarina Mulher Pera. Moro precisará da vassourinha para esconder os novos aliados embaixo do tapete.

Deixe uma resposta