Estão “fritando” Ciro Nogueira” – o Cirim

Situação delicada: o ministro mais poderoso de Bolsonaro é, também, o maior alvo de inimigos e aliados em meio a escândalos do governo (foto: Jailson Soares | PD)

Há pelo menos duas semanas, Ciro Nogueira, ministro-chefe da Casa Civil, virou manchete diária de notícias relacionadas a crises e escândalos do Governo Federal. Não são apenas adversários de Jair Bolsonaro (PL) fritando o senador piauiense. O óleo está quente nos bastidores.

QUEM PRECISA DE QUEM?

Ciro e Bolsonaro vivem uma relação complexa e complicada. Hoje, um precisa do outro, e o entorno familiar e militar de Bolsonaro já estaria cansado de ouvir narrativas propagando que é Ciro quem manda na situação. Ao ponto, inclusive, de se queixarem do fato de Ciro ter no Piauí um candidato a governador que se nega a elogiar o atual presidente. 

O médico Sílvio Mendes, 72 anos, ex-prefeito de Teresina, dá entrevistas achando grande vantagem Lula (PT) saber seu nome enquanto se esquiva de compromisso com Bolsonaro (foto: Jailson Soares | PD)O médico Sílvio Mendes, 72 anos, ex-prefeito de Teresina, dá entrevistas achando grande vantagem Lula (PT) saber seu nome enquanto se esquiva de compromisso com Bolsonaro (foto: Jailson Soares | PD)

Embora seja o maior deles, Ciro é apenas um dos líderes do Centrão, a força-motor do governo de Bolsonaro a esta altura do campeonato. Mas presidente, de fato, só existe um.

Essa lógica tem movimentado Brasília. Tanto que após o próprio Jair Bolsonaro se reassumir elemento do Centrão, o seu PL cresceu em número de deputados federais mais que o próprio Progressistas de Ciro, contrariando as expectativas do ministro.

O Centrão tem vários líderes, sendo Ciro Nogueira o mais poderoso deles; mas presidente, só tem um na cadeira, e o nome é Jair Bolsonaro (foto: reprodução | PR)O Centrão tem vários líderes, sendo Ciro Nogueira o mais poderoso deles; mas presidente, só tem um na cadeira, e o nome é Jair Bolsonaro (foto: reprodução | PR)

ESCÂNDALOS: O CUSTO CENTRÃO

Para ter o Centrão ao seu lado, Bolsonaro teve que entregar a indicação de um ministro do Supremo Tribunal Federal, além de vários setores estratégicos e bem financiados de sua gestão. Em janeiro deste ano de 2022, o presidente chegou ao ponto de terceirizar a Ciro Nogueira aprovações e vetos orçamentários, tornando o piauiense seu ministro mais forte.

Não que fosse imprevisível, a conta chegou. E rápido. Uma série de reportagens do Estadão – e repercutidas por inúmeros outros veículos de comunicação – têm feito sangrar o governo.

Os escândalos da licitação superfaturada de ônibus escolares (até 55% mais caros do que os valores estimados pelos próprios técnicos do Ministério da Educação); das “escolas fake” (anúncio de construção de novas escolas com destinação de recursos insuficientes para sua conclusão); e da liberação de recursos federais mediante o pagamento de propina a pastores possuem como “caixa” principal o FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação), órgão presidido por um ex-chefe de gabinete do senador Ciro Nogueira.

Segundo o "Estadão", seriam pelo menos 52 "escolas fake" autorizadas no Piauí e muitos recursos do FNDE para beneficiar a campanha de Iracema Portella e Silvio Mendes neste ano de 2022 (foto: Jailson Soares | PD)Segundo o “Estadão”, seriam pelo menos 52 “escolas fake” autorizadas no Piauí e muitos recursos do FNDE para beneficiar a campanha de Iracema Portella e Silvio Mendes neste ano de 2022 (foto: Jailson Soares | PD)

RISCO PRA UM, RISCO PRO OUTRO

Hoje, o governo segue sob risco de ter que enfrentar uma CPI (Comissão de Inquérito Parlamentar) às vésperas da eleição. Isso num momento em que Bolsonaro diminui distância entre ele e Lula (PT) em pesquisas de intenção de voto. Daí é possível entender que enterrar a CPI é hoje uma das condições para que Ciro Nogueira siga na Casa Civil. E o desgaste decorrente do “inferno astral” do ministro, claro, é visto como oportunidade para outros aliados de Bolsonaro.

Em suas redes sociais, Ciro subiu o tom em defesa de Bolsonaro; também alega que "escândalos fake" aumentam intenções de voto no atual presidente (imagem: redes sociais)Em suas redes sociais, Ciro subiu o tom em defesa de Bolsonaro; também alega que “escândalos fake” aumentam intenções de voto no atual presidente (imagem: redes sociais)

A pressão não é pequena. No último dia 8 de abril, a Polícia Federal enviou para conhecimento do Supremo Tribunal Federal documentos apontando que Ciro Nogueira cometeu crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, num esquema que durou de 2014 a 2017 com objetivo político de reeleger a ex-presidente petista Dilma Rousseff.

NÃO TEM BESTA NESSE ESQUEMA

Desde que passou a ser a mola mestra da política institucional de Bolsonaro, Ciro viu serem arquivadas diversas denúncias contra ele e seus aliados. Terá acaso se encarregado de fazer a Polícia Federal concluir um inquérito de 2018 e fazê-lo passear na Praça dos Três Poderes, à luz do dia, até chegar ao STF, exatamente neste momento? Um inquérito da finada Lava-Jato ligando Ciro a outro governo não parece coincidência pra quem observa com um pouco mais de cuidado, tanto que a própria defesa de Ciro Nogueira diz que “estranha o relatório da Polícia Federal”, em nota divulgada pela imprensa (na íntegra, abaixo).

Seja lá quem for que mande na PF, não deve andar muito contente com Ciro Nogueira; inquérito de 2018 foi enviado ao STF em meio a crises ligadas ao nome do senador (foto: reprodução)Seja lá quem for que mande na PF, não deve andar muito contente com Ciro Nogueira; inquérito de 2018 foi enviado ao STF em meio a crises ligadas ao nome do senador (foto: reprodução)

O STF deve encaminhar o inquérito à Procuradoria-Geral da República, onde um Augusto Aras extremamente alinhado com os interesses de Bolsonaro é quem vai decidir se Ciro e outros investigados serão denunciados.   

Neste momento, o contorcionismo político de Ciro Nogueira e a força de Jair Bolsonaro estão à prova.

Nota da defesa de Ciro Nogueira

A defesa técnica do Ministro Ciro Nogueira estranha o relatório da Polícia Federal, pois a conclusão é totalmente baseada somente em delações que não são corroboradas com nenhuma prova externa. Até porque a narrativa das delações não se sustenta.

A Defesa tem absoluta confiança que o tempo das delações sem nenhuma fundamentação já está devidamente superado pelas decisões independentes do Ministério Público e do Supremo Tribunal Federal.

Continuamos à disposição do Poder Judiciário com plena convicção que a verdade prevalecerá. O império das delações falsas e dirigidas não mais se sustenta.

Almeida Castro, Castro e Turbay Advogados
Antônio Carlos de Almeida Castro, Kakay
Roberta Cristina Ribeiro de Castro Queiroz
Marcelo Turbay Freiria
Liliane de Carvalho Gabriel
Álvaro Guilherme de Oliveira Chaves
Ananda França de Almeida

(Por:Marcos Melo)

Deixe uma resposta