Mulher denuncia moto taxista que expôs órgão genital e teria se masturbado durante corrida

Caso ocorreu em Teresina. Vítima fez uma foto do homem com o pênis à mostra após chegarem ao destino

Uma mulher publicou nas redes sociais que foi vítima de importunação sexual durante uma corrida de moto táxi na madrugada deste domingo (5) em Teresina. De acordo com a vítima, que iremos preservar a identidade, o homem estava com o órgão genital para fora durante a corrida que fez com ela. Ela disse que ele fez movimentos que acredita que ele estava se masturbando durante a viagem. Ela disse à reportagem do Piauí Hoje na noite deste domingo (5) que estava na Central de Flagrantes fazendo o registro da ocorrência.

“Eu estava no show do Arraiá Universitário, e na hora de vir embora, eu peguei um moto táxi aqui para a Santa Maria da Codipi, e quando chegou, o homem simplesmente estava com o p.. de fora, duro, e aí, desculpe a palavra, mas meninas, não peguem corrida com ele de jeito nenhum. (…)”, disse em relato na rede social.

A vítima citou que percebeu que ele estava mexendo na região da calça, mas imaginou que ele pudesse estar armado. Só depois que chegou ao destino, foi que ela reparou que ele estava com o órgão genital para fora da calça. 

“Eu tinha notado uma coisa estranha nele porque ele estava o tempo todo mexendo embaixo, todo o tempo mexendo embaixo, e eu estava segurando no ferro detrás da moto, porque eu não abraço quem eu não conheço, nem seguro quem eu não conheço, e ele mexendo embaixo, fazendo gesto, e eu pensando ‘será se ele está armado?’. Pensando que ele estava armado, mas não era, o homem estava abrindo o zíper dele e se masturbando em cima da moto (…) E eu, quando cheguei que eu vi, porque não fico olhando pra frente de ninguém, mas imagine quantas pessoas não devem ter visto ele passando e fazendo essa arrumação no meio da rua? Quantas pessoas não devem ter visto isso?”, disse.

Após chegar ao destino, ela foi se preparar para pagar o pix, e, mesmo nervosa, fez uma foto, para denunciar e alertar outras mulheres. Após o registro na Central de Flagrantes, a Polícia Civil deve investigar o caso. (piauihoje)

Deixe uma resposta