Piauí é um dos que mais vacina, mas há quem reclame da “obrigação” e proteste: “Ditadura sanitária”

Desde o início da semana passada é obrigatório apresentar o chamado “passaporte da vacinação”, onde a pessoa está com imunização completa, com as duas doses, para entrar em alguns eventos e em órgãos públicos.

Foi garantido em decreto do Governo do Estado. O assunto, entretanto, levantou um debate. É que há pessoas que são contra essa obrigatoriedade. Por algum motivo, não querem se vacinar, mesmo sendo o Brasil um dos países que mais tem aceitado a vacinação. E não é de agora, com o surto de Covid-19.

Postagem feita por Denise em seu Instagram: ela é contra a obrigatoriedade da vacina (Foto: Reprodução redes sociais)

Uma imagem circulou em alguns grupos de Whatsapp e mostrava a personal trainer e nutricionista Denise Noleto com um cartaz, no momento em que recebia a vacina, que dizia o seguinte: “Eu não consenti. O estado me obrigou”, com algumas hashtags do tipo “Ditadura sanitária”, “Passaporte de Covid não”, “Fora WD”, “Fora comunistas”.

“OBRIGATORIDADE É INCONSTITUCIONAL”

OitoMeia buscou a própria Denise para comentar sobre o porquê de ser contra a obrigatoriedade da vacina. Ela disse inicialmente que não é contra a vacina, em si. Mas sim contra a obrigatoriedade, e explicou alegando ser “inconstitucional” e com uma série de argumentos, elencados em tópicos, que a reportagem traz, conforme enviado por ela através de uma mensagem pelo Instagram:

“1-Ainda não faz parte do calendário anual; 2-É inconstitucional essa obrigatoriedade pois decreto não se sobrepõe à Constituição. É um atentado às liberdades individuais; 3-Não há razão para essa obrigatoriedade, pois quem vacina não deixa de pegar nem transmitir. Alguns dos estudos que mostram a alta mortalidade em não vacinados tem muitos erros. Entra no site do CDC americano e vê as respostas que eles dão aos questionamentos sobre vacina; 4-Quem não se vacina não oferece risco a ninguém a não ser a ele mesmo; 5-A variante Omicron chegou por pessoas vacinadas; 6-Conheço inúmeros casos de efeitos colaterais gravíssimos, inclusive morte, após a inoculação. E quem se responsabiliza? Nem as fabricantes, nem A OMS que inclusive é contra esse passaporte nazisanitário, nem a Anvisa, nem os empregadores que estão usando essa brecha para demitir com justa causa, nem o Sr Governador Welington Dias que, dizendo estar vacinado, adoeceu e levou o vírus para lá e para cá sem proteção”.(OitoMeia)

Deixe uma resposta