Porto das Barcas: Empresário Valdeci Cavalcante chama de ”desagregador” o presidente da Associação Comercial de Parnaíba

                                           Valdeci Cavalcante
O
empresário Valdeci Cavalcante, Presidente da Federação do Comércio do Estado do
Piauí (Fecomércio), concedeu entrevista à TV Antena 10, em Teresina, nesta segunda-feira
(27) para falar da situação de abandono em que se encontra o Complexo Porto das
Barcas, onde drogados estão fazendo morada numa área de alfândega pertencente à
Fecomércio, à qual o presidente da Associação Comercial de  Parnaíba, Luís Pessoa, sugeriu durante entrevista
à mesma emissora que Valdeci entregasse o espaço para a secretaria municipal de
turismo cuidar.
Valdeci, por
outro lado, deu a entender que se área está abandonada é porque desde 2013, na
gestão do ex-governador Wilson Martins, o Governo do Estado doou, em regime de
comodato, todo o Complexo Porto das Barcas para a Associação Comercial, cujo
presidente estaria agindo como se dono fosse do espaço. Segundo Valdeci, a Procuradoria
do Estado já rescindiu o contrato e o governador ainda não pediu de volta o
Complexo Porto das Barcas porque não quer briga.
                                              Luís Pessoa
De acordo
ainda com o presidente da Fecomércio, por conta do comodato o presidente Luís
Pessoa queria cobrar alugueis e condomínio de todos os comerciantes. “Nós não
pagamos porque faltou diálogo e ele entrou com uma ação de despejo”, disse. E lembrou
que quando o ex-governador Alberto Silva viabilizou o local colocou para
administrá-lo o amigo dele, advogado Francisco Cajubá, “que mantinha um bom
relacionamento com todos para dar vida àquele local. Depois veio o Cláudio
Véras, o Anísio(Neves)… E o Luís Pessoa caiu de paraquedas. É um
desagregador, não se reúne com ninguém”, frisou.
O
Presidente da Fecomércio disse que já entrou na justiça com uma ação popular contra
o contrato da Associação Comercial com o Governo do Estado. “O governador pensa
que a Associação Comercial ainda tem o prestígio que tinha antigamente. Mas
quando ela não tem uma representação respeitável, não funciona”, pontuou.
Valdeci
afirmou que quando sair a liminar do juiz anulando os efeitos do contrato ele
vai se reunir com todos os e empresários do Porto das Barcas e liderar um
movimento para que lá mande quem esteja instalado lá. “Vou dar 50 mil reais
para mandar limpar, pintar…pedi diversas vezes para o ex-prefeito Florentino mandar
limpar e ele dizia que não podia porque ali era área privada”, destacou, lembrando que pessoalmente até como dono do Restaurante Rios está proibido de
pintar um metro de parede sem a autorização da Associação Comercial.

Deixe uma resposta