Promessa de escola em municípios foi pura “malandragem” para enganar prefeitos

O senador Marcelo Castro (MDB-PI) será o relator-geral do Orçamento para 2023Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

O presidente da Comissão de Educação do Senado, Marcelo Castro (MDB-PI),  assegurou que nenhuma das escolas prometidas pelo Ministério da Educação para serem contruídas em cidades do Piauípara vai sair do papel.  Segundo senador piauiense tudo não passou “de malandragem para enganar os prefeitos”.

“Os prefeitos receberam – convênios fake. Foram 2 mil convênios feitos no ano passado. Alguns de 8 milhões, 6 milhões, 3 milhões, e sabe qual foi o empenho? R$ 100 mil, R$ 50 mil, R$ 200 mil. O Piauí tem 78 municípios que receberam escolas-fake e nenhuma dessas escolas vão começar. Aqui temos escolas que o valor máximo empenhado foi de R$ 200 mil, sendo que a obra é de R$ 8 milhões. Nenhuma construtora começa uma obra de R$ 8 milhões com 200 mil. Isso foi uma malandragem para enganar os prefeitos”, afirmou o senador, em entrevista à TV Cidade Verde na tarde desta segunda-feira (4).

“Essa CPI do Mec vai causar um grande estrago no Ministério da Educação, sobretudo no FNDE. Todos os convênios que foram feitos foram através do FNDE. Agora você imagina uma roubalheira dessas que aconteceu no Brasil. Dois pastores, que não tem nada a ver com o MEC, é que organizavam os encontros com os prefeitos. O ministro pegava um avião em Brasília da FAB e ia para esse encontro. O ministro e o presidente do FNDE empoderavam os pastores, depois saiam e entregavam os prefeitos aos pastores. O que é mais grave: o relato que os professores fizeram é uma coisa horrorosa, coisa de submundo, de baixaria. Já mais imaginavam que o Ministério da Educação pudesse estar entregue as pessoas desse nível”, lamentou Marcel Castro

Fonte: TV Cidade Verde

Deixe uma resposta