Quadrilha de empresários usava ‘laranjas’ para atuar em cartel na Prefeitura de Cocal


“Eles atuavam em cartel fazendo grandes saques”, disse o promotor de Justiça Sinobilino Pinheiro sobre os presos na Operação Escamoteamento. Em entrevista coletiva na manhã desta segunda-feira (10), o Gaeco apresentou um balanço da ação que prendeu uma quadrilha de empresários especializada em fraudar licitações no Estado.

“Entre 2013 e 2015 a quadrilha atuava com ajuda da Prefeitura de Cocal para desviar recursos, sendo que moradores também chegaram a participar do esquema. Os municípios de São João da Fronteira e Bom Princípio também foram alvo das ações criminosas. Ao todo, foram conduzidas 35 pessoas suspeitas de serem os ‘laranjas’ envolvidos com as empresas de fachada e há suspeita de atuação nos Estados do Maranhão e Ceará”, afirma Sinobilino Pinheiro.
Segundo o promotor, as empresas ganhavam licitações para obras, locação de veículos e fornecimento de mão de obra, além de serviços de contabilidade. Além de empresários, funcionários públicos e beneficiários do programa Bolsa Família também estão envolvidos.
Ainda de acordo com Pinheiro, o “cartel” era comandando por 13 operadores que faziam as transferências bancárias e que movimentaram cerca de R$ 200 milhões. “Os presidentes de comissões de licitação e funcionários da prefeitura estão envolvidos. Foram feitas buscas tanto na Prefeitura de Cocal, quanto na Câmara de Vereadores” afirma. 
Oito empresários estão presos preventivamente e cinco continuam foragidos. (Portalaz)

Deixe uma resposta