Farmácias do Piauí já sofrem com escassez de medicamentos; falta é nacional

Antibióticos, amoxicilina e dipirona são alguns dos principais medicamentos que estão em falta nas farmácias do Piauí. Na realidade, não só do Piauí, mas de todo o Brasil. O Ministério da Saúde e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) admitiram o risco de desabastecimento de medicamentos no mercado. Alguns dos itens em falta são indispensáveis ao Sistema Único de Saúde (SUS) e estão listados na Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (Rename) 2022.

Uma pesquisa da Confederação Nacional de Saúde (CNSsaúde), realizada com 106 estabelecimentos como hospitais, clínicas especializadas e empresas que fornecem serviço de home care em 13 estados e no Distrito Federal, mostra a falta de soro em mais de 87% das instituições pesquisadas, dipirona injetável em 62,9%, metronidazol bolsa em 41,9%, amicacina injetável em 40% e outros.

Alguns medicamentos estão em falta nas farmácias do Piauí (Foto: Reprodução)

Além dos medicamentos, o que também está em falta são os insumos, os quais cerca de 95% por cento vem da China e da Índia. Entre os principais apontados como motivos da escassez estão a alta do dólar e do barril de petróleo, cujos os derivados são usados para produzir embalagens. A inflação também é apontada como culpada por elevar o custo da cadeia de transportes.

No Piauí, os medicamentos já estão em falta há dias e complicam ainda mais o mercado, conforme informou o presidente do Sindicato das Farmácias do Piauí, Francisco Lopes, ao OitoMeia.

“Já tem alguns medicamentos em falta já tem algum tempo já. Essa falta não é atual não e está se complicando ainda mais o mercado, disse o presidente.

OitoMeia também entrou em contato com o Concelho Regional de Farmácia do Piauí (CRF). O órgão, no entanto, informou que não atua sobre essa questão. (Naiane Feitosa)

Deixe uma resposta