Lula ignorava tragédias para não atrair ‘coisa ruim’

Em 2010, apareceu com isopor de bebidas na cabeça, na praia de Inema, Bahia, enquanto o País chorava 53 mortos no deslizamento em Angra

Jair Bolsonaro visitou no dia 12 as áreas afetadas pelas enchentes no sul da Bahia, antes do governador petista Rui Costa, mas os inimigos agora o acusam de “omissão” diante da tragédia. Petistas repetem a ladainha, “esquecidos” do “estilo” Lula, que ignorava tragédias. Em janeiro de 2010, apareceu com isopor de bebidas na cabeça, na praia de Inema, Bahia, enquanto o País chorava 53 mortos no deslizamento em Angra dos Reis (RJ). Fugiu de Congonhas como o diabo da cruz.

Olha a desculpa

Dizia-se no Planalto, na época, que a primeira-dama Marisa impedia Lula de visitar vítimas de tragédias para “não atrair coisa ruim”.

Mantendo distância

Se o tucano José Serra foi o primeiro a aparecer em Congonhas, onde um avião da TAM matou 199 pessoas, Lula nunca pôs os pés no local.

Incompreensível

Além de silenciar sobre o desastre da TAM, Lula demorou dois anos para receber familiares das vítimas, que ainda lutavam por reparações.

Pegando no tranco

A atitude do presidente petista se observava também quando ocorriam enchentes. Após muitas criticas, passou a sobrevoar áreas atingidas.(Cláudio Humberto)

Deixe uma resposta