A luta de Ciro com o PT e a própria língua, para representar a esquerda

Charge do Cláudio (Arquivo Google)

Bernardo Mello Franco

O noticiário registrou a presença de três presidenciáveis no último palanque de Lula. Os petistas registraram uma ausência: a de Ciro Gomes, pré-candidato do PDT. Enquanto Guilherme Boulos, Manuela Dávila e Fernando Haddad apareciam na foto com o ex-presidente, Ciro dava palestras nos Estados Unidos. De lá, ele declarou que não é “puxadinho do PT”.

A frase irritou os lulistas que se aglomeravam no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. “Agora o Ciro rompeu qualquer ponte com a nossa base social”, sentencia o senador Lindbergh Farias.

SEM ALIANÇA? – O petista diz que a atitude do ex-ministro inviabiliza uma aliança para a eleição de outubro, algo em que o próprio Ciro parece nunca ter acreditado.

Na terceira corrida ao Planalto, o pedetista precisará dos órfãos de Lula para se tornar um candidato viável. Hoje ele atrai parte desses eleitores por inércia. Na ausência do ex-presidente, passa de 6% para 10% das intenções de voto, segundo pesquisa do Datafolha no fim de janeiro.

Apesar de ter sido ministro no governo Lula, Ciro não tem esperança de se tornar o candidato oficial do lulismo. “A natureza do PT, assim como do escorpião, é afundar sozinho”, ironizou, em fevereiro. Desde então, ele alterna declarações agressivas e simpáticas à sigla.

AMARGURA E AFLIÇÃO – Na segunda-feira, o ex-ministro disse sentir “amargura e aflição” com a prisão do ex-presidente. Ao mesmo tempo, rechaçou o discurso, repetido pelos petistas, de que ele seria um “preso político”.

“O PT sempre foi assim. A gente só serve para apoiar, nunca para ser apoiado”, reclama o presidente do PDT, Carlos Lupi. Ele acusa os petistas de semearem “intrigas” para não abrir mão da cabeça de chapa.

SAPO BARBUDO – Lupi lembra que essas desavenças vêm de longe. Em 1989, Lula e Brizola trocaram provocações ao longo de toda a campanha. O ex-governador chegou a apelidar o petista de “sapo barbudo”. No fim, a rivalidade ficou para trás e os dois se uniram contra Fernando Collor.

Enquanto o PT não escolhe um candidato, Ciro roda o país sozinho, com um discurso duro contra as reformas de Temer, as privatizações e a desnacionalização da economia. Se não tropeçar na própria língua, ele tem chance de virar a opção à esquerda no segundo turno. (Tribuna da Internet)

GOVERNADORES PAGAM MICO EM CURITIBA USANDO DINHEIRO PÚBLICO

BAJULADORES BARRADOS USARAM DINHEIRO PÚBLICO PARA TENTAR “VISITAR” LULA

Nove governadores do Nordeste abandonaram os afazeres e torraram dinheiro público, inclusive no aluguel de jatinhos, para viverem um dos momentos mais desmoralizantes desde a prisão do ex-presidente Lula por corrupção. Os nove foram barrados por um despacho do juiz Sérgio Moro, assinado na véspera, proibindo demagogia rastaquera na carceragem da Polícia Federal, onde meliante comum cumpre pena. A informação é do colunista Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

O objetivo da visita não era político, destinado a Lula. Era a chance de fazer média com eleitor ignorante que ainda votaria do meliante.

Ansiosos pelo gesto demagógico, os governadores nem sequer se deram ao trabalho de checar na PF se a visita seria autorizada.

Governadores pagaram um mico inesquecível: até tiveram acesso à sede da PF em Curitiba, mas foram barrados.

Barradas, suas excelências não reclamaram, não são loucos. Mas posaram para foto exibindo o despacho de Sérgio Moro. Foi engraçado. (Diário do Poder)

PT cria vaquinha para manter acampamento de Curitiba

O PT decidiu lançar uma vaquinha virtual para ajudar a cobrir os custos do acampamento montado para abrigar apoiadores do ex-presidente Lula em Curitiba. A direção nacional da sigla definiu o modelo de arrecadação em reunião na segunda-feira (9).

Dirigentes petistas se preocupam em garantir a continuidade das mobilizações pró-Lula. Avaliam que os atos na capital paranaense têm sido até melhor que o esperado, mas sabem que, com o passar do tempo, a tendência é a poeira baixar.

Para evitar o arrefecimento da militância, o PT e as frentes de movimentos sociais programaram atos até o dia 1º de maio. Mesmo assim, há apreensão com o derretimento da adesão às manifestações.

Wellington Dias: Carpideira do PT

José Olímpio Leite de Castro*

Imperdoável o descaso do governador Wellington Dias (PT) com os milhares de piauienses pobres que moram em áreas ribeirinhas e correm o risco de terem suas casas inundadas pelas águas do rio Parnaíba.

Foi preciso que a oposição botasse a boca no trombone para que Sua Excelência deixasse Curitiba, a capital do Paraná, onde o ex-presidente Lula se encontra preso na Polícia Federal, acusado de corrupção.

Preocupados com a repercussão negativa do descaso do governador em relação às ameaças de cheias do rios Paranaíba e Poti, os assessores carnaqueanos o convenceram a abandonar o papel de carpideira do PT e programaram uma visita de Sua Excelência às áreas de riscos.

Em maio de 2009, o município piauiense de Cocal da Estação, com 30 mil habitantes, foi atingido pelo rompimento da Barragem de Algodões I, causando 9 mortes e a destruição de propriedades e rebanhos.

O CREA informou na época que os problemas que causaram o rompimento da barragem foram constatados ainda em 1997. O governo, mesmo alertado, não fez as obras de engenharia necessárias para evitar a tragédia.

A população foi retirada às pressas da área, mas logo depois a diretora da Emgerpi, falando em nome do governador Wellington Dias, determinou que todas as famílias voltassem para suas casas, garantindo que não havia risco, apesar do alerta de um oficial do Corpo de Bombeiros de que a parede da barragem poderia romper a qualquer momento, o que infelizmente aconteceu.

Por conta dessa malfadada ordem, Sua Excelência responde a processo no Supremo Tribunal Federal, mas pelo visto a tragédia de Cocal da Estação não serviu de lição. Poucos são os reservatórios do Piauí que passaram por vistorias.

Em meio a previsões de fortes chuvas, chegam notícias do interior dando conta do risco de rompimento de barragens e açudes. Lamentável e condenável essa postura irresponsável do governo estadual.

Piada do Ano! Advogado diz que Lula estaria lendo seu primeiro livro…

Charge do Amarildo (amarildo.com)

Luiza Dalmazo
O Globo

Dois dias depois de se entregar à polícia, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem procurado ler na carceragem da Polícia Federal de Curitiba para passar o tempo, segundo seu advogado, Cristiano Zanin. O petista, no entanto, não tomou banho de sol e optou por ficar na cela lendo “A elite do atraso, da escravidão à Lava-Jato”, de Jessé Souza.

Ao sair do prédio da PF, o advogado também contou que o ex-presidente assistiu à final do campeonato paulista, no domingo, já que a televisão aberta local não pôde transmitir a final do campeonato paranaense. “Naturalmente, ele ficou contente com o título” — diz ele, sobre a vitória no Campeonato Paulista.

Zanin relatou que o petista permanece bem, “embora indignado por estar preso sem ter cometido crimes”. Ainda não há informações sobre visitas de familiares e nem se ele ouve as manifestações que acontece, ao lado de fora do prédio da PF.

APOSTA NO STF – Em reunião da executiva do PT nesta segunda-feira, em Curitiba, a presidente do partido, senadora Gleisi HoffmanN (PR), manteve a aposta de que os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) revejam a possibilidade de prisão após a condenação em segunda instância.

Gleisi disse que espera que Lula deixe a prisão até quarta-feira, quando está marcado o julgamento de uma liminar sobre a constitucionalidade da prisão após condenação em segunda instância. A esperança do PT é que, na análise do caso teórico, o Supremo reveja sua posição, com o voto da ministra Rosa Weber, e Lula possa ser solto.

Em 2016, Rosa Weber foi voto vencido ao se posicionar a favor de esperar o fim dos recursos para iniciar o cumprimento da pena, mas desde então tem seguido o entendimento da maioria do Supremo e votado a favor da prisão após a decisão da segunda instância. No julgamento do habeas corpus de Lula, quarta-feira, ela negou o pedido do ex-presidente. Seu voto, em um eventual reexame da questão no STF, é tido como incerto.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG 
– Mais uma Piada do Ano. Lula sempre se orgulhou de jamais ter lido um livro. Há alguns anos, inventaram que Lula teria lido a biografia da Abraham Lincoln filmada por Spielger, mas era uma mentira deslavada. Lula deu entrevista, dizendo ter ficado impressionado com a passagem do livro em que Lincoln está esperando o “telex”. Na verdade, Lincoln estava esperando uma mensagem no telégrafo. E a cena não existe no livro, foi criada pelo roteirista. Ou seja, Lula viu o filme e resolveu tirar onda, dizendo ter lido o livro. Agora, repetem a invenção. O livro que ele está dizendo ler é chatíssimo, exalta o tempo todo as conquistas dos governos do PT. É um sonífero melhor do que Lexotan e ajuda Lula a dormir na cadeia, sonhando com Gilmar Mendes(C.N.)

DEPUTADOS DO PT APOIARAM PRISÃO EM 2ª INSTÂNCIA APÓS O TRF-4 CONDENAR LULA

ZÉ CARLOS, ZÉ GERALDO E ADELMO LEÃO ASSINARAM PEC APÓS A CONDENAÇÃO DE LULA PELO TRF-4

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que prevê prisão após a condenação em segunda instância teve o apoio de 177 deputados, incluindo três petistas. Adelmo Carneiro Leão (MG), Zé Carlos (MA) e o compadre de Lula, Zé Geraldo (PA). Os três assinaram a PEC após a confirmação da condenação de Lula pelo TRF-4, no julgamento dos embargos de declaração. Com a rejeição do habeas corpus de Lula pelo Supremo Tribunal Federal, os três mudaram de ideia e tentaram retirar as assinaturas, mas a Mesa Diretora indeferiu. A informação é do colunista Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

O regimento da Câmara não permite retirar ou incluir assinaturas de apoio a projetos como PEC, após sua publicação.

A PEC foi apresentada em 27 de março e publicada dois dias depois. Os três esperaram até 3 de abril para pedir a retirada das assinaturas.

Assinando a PEC sem ler ou porque apoiavam prisões após a segunda instância (exceto de petistas), o trio do PT terá de se explicar ao chefe.

Dilma mete Wellington Dias em saia justa

A declaração da ex-presidente Dilma Rousseff, negando-se a dividir um palanque com o presidente nacional do PP, senador Ciro Nogueira, põe o governador Wellington Dias e o PT do Piauí em uma saia justa.

Segundo a jornalista Cristiana Lobo, essa foi uma das alegações da ex-presidente para descartar a opção de ser candidata a senadora pelo Piauí. Ela vai concorrer por Minas Gerais, depois de transferir seu domicílio do Rio Grande do Sul.

Dilma ressalvou que nada tem contra o Piauí, mas jamais subiria ao mesmo palanque com o senador. Ela ainda guarda mágoas de Ciro Nogueira ao avaliar que o PP – hoje Progressistas – foi o último partido de sua base a abandoná-la para cavar o seu impeachment.

A mágoa de Dilma era também a mesma de boa parte do PT até pouco tempo. O senador Ciro Nogueira e sua mulher, a deputada federal Iracema Portella, passaram a ser os principais alvos dos petistas no Piauí. Acusados de golpistas, eles eram vaiados por onde passavam. O senador recebeu vaia até na ausência, apenas por ter seu nome citado em solenidade.

A volta por cima

Depois, já homem forte do governo Temer, Ciro Nogueira andou declarando que seu candidato ao Planalto seria o ex-presidente Lula. Claro que se tratava de uma estratégia sua para acalmar os petistas. De certo modo, ela funcionou. As vaias cessaram.

A chave 14 que o senador aplicou no PT do Piauí funcionou tão bem que hoje ele é o candidato número 1 do governador Wellington Dias ao Senado. O governador ainda está em dúvida quanto ao número 2, embora a senadora Regina Sousa esteja na vez.

O jogo de cintura demonstrado tanto pelo senador quanto pelo governador são próprios da cena política. A propósito, os dois são craques nisso.

No final de semana, se, de um lado, a ex-presidente Dilma criou algum desconforto para o governador, com sua declaração contra o senador Ciro Nogueira, de outro, o ex-presidente Lula – que é quem conta, afinal, no PT – encheu a bola de Wellington, chamando-o de o índio mais sabido do Brasil.

Dilma não se mostrou nem se mostra afeita a esse tipo de jogada, razão principal de sua queda da presidência.

Por:Zózimo Tavares

Ex-senadores da República lamentam prisão do ex-presidente Lula

“Tenho muita tristeza de ver aquela pessoa que teve um passado tão bonito, tão brilhante, que foi o maior líder sindical que a América Latina já produziu e essa pessoa ser condenada por uma coisa… por corrupção. Eu lamento muito. Adversário, sim. Me tratou como inimigo, foi extremamente desleal comigo na minha eleição de 2010. Mas nada disso apaga o que conheço da história dele, o que eu sei que ele fez”, declarou o tucano, Prefeito de Manaus, Arthur Virgílio, ex-senador da República”(Notícias.uol)

“Eu não comemoro nada. Não me alegro com a desgraça alheia. No dia da prisão do Lula me pediram dinheiro para comprar foguetes e eu não permiti, porque entendo que não há o que comemorar”, disse Mão Santa, na última sexta-feira, após a decretação de prisão do ex-presidente. O atual prefeito de Parnaíba também teve sua reeleição ao senado , em 2010, prejudicada por Lula. Mão Santa foi senador junto com Arthur Virgílio, fazendo oposição a Lula.

Para Zé Filho governador do Piauí é responsável pelo fechamento de empresas

Quando o assunto é oposição ao governo do Estado o ex-governador Zé Filho parece estar com o discurso bastante afinado, ao lado do deputado estadual Marden Meneses, ambos do PSDB e que foram deputados estaduais juntos, ao lado do também deputado Luciano Nunes, pré-candidato dos tucanos ao governo do Piauí.

“O governador (Wellington Dias) que aí está começa obras e não termina. Por isso as empresas estão quebrando. Mas eles (os governistas) saem por aí, de jatinho, comprando políticos. Dinheiro para isso não falta”, disse Zé Filho, complementando o pronunciamento do  deputado Marden, na mesma solenidade:”do jeito que está aí não dá mais para continuar. É  manter um desgoverno que assume compromissos mas não cumpre. O modelo que está aí se exauriu. O momento é de transformar o Piauí, modernizá-lo”, destacou Marden Meneses, no ato de filiação de Zé Filho ao PSDB, na semana passada.

Por:Bernardo Silva

Senador Ciro Nogueira seria má companhia para Dilma?

Repercutiu muito nos meios políticos, no final de semana, a declaração publicada pela imprensa dando conta de que a ex-presidente Dilma descartou concorrer ao Senado pelo Piauí por se recusar a fazer uma dobradinha com o senador Ciro Nogueira (PP), que votou a favor do impeachment dela. A ex-presidente foi curta e grossa:

– Jamais subiria em um palanque ao lado do Ciro Nogueira.

PT quer Ciro

Por um lado, o senador se sentiu aliviado, mas, por outro, certamente ele ficou encabulado, pois tem é se esforçado para se aproximar dos petistas.

Já chegou até a declarar em mais de uma ocasião que votaria em Lula para presidente.

Ciro está aliado com o PT do governador Wellington Dias. (Coluna Zózimo Tavares)

Oposição une Elmano, João Vicente, Luciano e Mão Santa

O bloco de oposição ao governo do Estado foi reforçado no final de semana com a filiação do senador Elmano Férrer ao Podemos. No mesmo  final de semana, Luciano Nunes (PSDB), Elmano Férrer (Podemos), João Vicente Claudino (PTB) e Mão Santa (Solidariedade), se encontraram em evento social e demonstraram interesse na construção de palanque sólido e competitivo de oposição.

O petebista João Vicente defende aliança única de oposição para a disputa do governo. Pré-candidato já lançado, o tucano Luciano Nunes promete conversas para o fortalecimento do palanque oposicionista no Estado.  Na foto, os quatro líderes e a primeira-dama de Parnaíba, Adalgisa Moraes Souza, que se filiou ao DEM.(Elivaldo Barbosa)

Lula aponta Gleisi como porta-voz e pede que Haddad dialogue com partidos

Charge do Sponholz (sponholz.arq.com)

Daniela Lila
Folha (Painel)

Lula usou as horas que antecederam sua prisão e o tempo em que esteve com aliados na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba para orientar o PT. Numa tentativa de manter o partido sob controle, empoderou a senadora Gleisi Hoffman (PR) apontando-a como sua porta-voz. Em São Bernardo do Campo, falou com o ex-prefeito Fernando Haddad, visto como o plano B para a disputa presidencial. Disse que ele estava liberado para continuar negociando com outras legendas sobre 2018.

A defesa do ex-presidente começa a definir nesta segunda (9) a lista de advogados e familiares que serão autorizados a visitá-lo na prisão. Os defensores têm acesso a qualquer hora. A família, uma vez por semana. Como é formada em Direito, Gleisi quer ser incluída na relação como integrante da equipe de defesa de Lula.

ROMARIA – O PT quer fazer de Curitiba ponto de romaria para líderes políticos brasileiros e estrangeiros. A sigla fará eventos no acampamento montado pelos apoiadores de Lula todos os dias e discute a possibilidade de transferir a sede nacional do partido para a capital paranaense.

Na viagem de avião de São Paulo para Curitiba, Lula e seu advogado Cristiano Zanin foram acompanhados por um delegado e dois agentes da corporação. As conversas foram protocolares e em tom respeitoso com o ex-presidente.

Integrantes da equipe de Lula avaliam que a decisão do ministro Edson Fachin, que rejeitou no sábado (7) reclamação apresentada ao Supremo Tribunal Federal, restringiu ainda mais os direitos da defesa e abriu brecha para novos questionamentos.

ORDEM DE PRISÃO – Fachin defendeu a ordem de prisão expedida por Sergio Moro argumentando que os embargos que ainda podem ser apresentados ao TRF-4 não têm efeito suspensivo. Para os petistas, a jurisprudência do STF só autoriza o encarceramento após o fim de todos os recursos na segunda instância.

Só para constar? A defesa do ex-presidente decide nesta segunda-feira se apresenta ao TRF-4 o último embargo que ainda cabe contra a condenação pelo tríplex. Ao abrir caminho para a prisão de Lula, a corte considerou o instrumento protelatório.

Temer diz que Brasil enfrenta momento difícil na política

O presidente Michel Temer disse hoje (9) que o Brasil superou uma fase difícil na economia, mas enfrenta um momento difícil “sob o foco político”. Ele discursou na posse do novo presidente do Banco do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e disse que é preciso seguir adiante cumprindo rigorosamente o sistema normativo e a Constituição que garantem a estabilidade ao país.

“As bases, alicerces e suportes para o crescimento do país foram plantados nesses quase dois anos de governo. Isto é fundamental para o país. Temos que ter consciência disso. Precisamos saber que saímos de um momento difícil do país, continuamos sob um momento difícil também sob o foco político, mas temos que seguir adiante, e seguir adiante significa cumprir a normatividade nacional, cumprir a Constituição, cumprir rigorosamente o sistema normativo nacional porque é isso que dá estabilidade ao país”, disse o presidente da República.

Acrescentou que só há organização quando se garante o cumprimento estrito à norma jurídica. “Quando você acha que não precisa cumprir a norma jurídica, você desorganiza a sociedade”, afirmou.

Fonte:Agência do Brasil / Imagem do Google

Vereadora Cristiane Santos: projeto Mirim Cidadão no Município da Ilha Grande

Está tudo sendo em planejando, com as primeiras providências sendo tomadas, para que o município de Ilha Grande comece em breve o Projeto Sócio-Educativo-Preventivo “Mirim Cidadão”. A vereadora Cristiane Santos (PR) apresentou o projeto ao Prefeito Herbert Silva, no inicio da semana, para que a Prefeitura disponibilize o local para exposição das aulas e também o lanche para os alunos matriculados.

“Durante nossa conversa, o prefeito se mostrou bem acessivo e demostrou interesse em nos ajudar. Expliquei a importância do projeto que está ligado à prevenção e combate à criminalidade e às drogas. Também falei do apoio da Secretaria de Segurança do Estado. E na semana que vem me reunirei com o prefeito novamente para que possamos conversar sobre alguns detalhes e no próximo mês iniciar as inscrições, pois temos pressa porque não podemos perder nossos filhos para criminalidade e nem para drogas”, relatou a vereadora.

A vereadora lembra que serão selecionadas cerca de 120 crianças e adolescentes, de ambos o sexos, com idade entre 7 a 17 anos. Mas para fazer parte do Pelotão Mirim o interessado tem que estar matriculada em uma escola pública, tirar boas notas e seu comportamento tem que ser exemplar,  tanto na escola quanto nas ruas e, principalmente, em casa. A intenção é aumentar essa quantidade de vagas com o tempo.

No mês de passado a vereadora foi prestigiar a aula inaugural do projeto Pelotão Mirim, em Cocal, com intuito de conhecer mais sobre projeto. “Fiquei admirada com a postura, a educação e o comportamento dessas crianças e adolescentes. Vejo que as ações do Cidadão Mirim vão beneficiar toda a comunidade, ajudando a formar cidadãos conscientes”, enfatizou Cristiane Santos.

O projeto funcionará uma vez por semana, sempre aos sábados pela manhã. O local vai ser definido, de acordo com a disponibilização do prefeito Herbert Silva.

O Projeto Mirim Cidadão 

O Projeto visa propiciar um trabalho educativo-preventivo para, juntamente com a família e a sociedade, favorecer espaços de desenvolvimento da cidadania, com vistas à prevenção primária, possibilitando às crianças e aos adolescentes o desenvolvimento de suas potencialidades e habilidades físicas, cognitivas, morais e artísticas, fundamentados em valores como: ética, solidariedade, consciência crítica, respeito ao meio ambiente, respeito e valorização à família, entre outros, estes que são pilares fundamentais para construção de uma sociedade de paz.

  • Por:Camila Neto
  • Fonte: Jornal “Tribuna do Litoral”

Vice-prefeito Samarone filia-se ao PRP e confirma candidatura a deputado estadual

Apostando em uma nova política o vice-prefeito de Parnaíba, Marcos Samaronne Pinheiro, filiou-se a Partido Republicano Progressista (PRP), visando disputar uma cadeira na Assembleia Legislativa.

Em declarações ao Jornal Tribuna do Litoral ele destacou que as eleições deste ano serão marcadas pela renovação. “O povo clama por novas lideranças. Eu acredito na renovação que vai acontecer na atual politica. No momento, sou pré-candidato a deputado estatual, estou me colocando à disposição da população porque sei que estão em busca de grandes mudanças”, enfatizou o vice-prefeito. A filiação ao Partido PRP aconteceu na manhã da última desta terça-feira (03/04) na Câmara Municipal de Teresina.

O vice-prefeito Samaronne é empresário do ramo de combustíveis, proprietário de vários postos de gasolina no município. Mas ele nasceu na cidade de Chapadinha no estado do Maranhão. Entrou recentemente no cenário politico, quando aceitou ser candidato a vice-prefeito na chapa do atual prefeito Francisco de Assis de Moraes Souza (Mão Santa). Já pertenceu ao Partido Solidariedade (SD) mesmo partido do prefeito eleito. Filiou-se no ano passado no Partido Social Cristão (PSC) tendo assumido a presidência do partido em Parnaíba.

Agora, no apagar das luzes do troca-troca partidário, Samarone buscou abrigo no PRP e promete uma boa briga na busca de votos, disputando com outros parnaibanos uma vaga na Assembleia Legislativa.

*por Camila Neto

Fonte: Jornal “Tribuna do Litoral”

 

Por que não fizeram antes?

Lançamento do Plano Estadual de Segurança

O Governo do Piauí lançou, na sexta-feira passada, o Plano Estadual de Segurança Pública, que deverá nortear as políticas públicas voltadas para o setor em todo o estado. O lançamento marcou a despedida do deputado federal Fábio Abreu do cargo de secretário de Segurança.

Muita badalação em torno desse plano. Segundo Fábio Abreu, o Plano Estadual de Segurança Pública já é uma realidade e está referenciado nas demandas da população.

De acordo ainda com ele, os eixos do programa são baseados em audiências feitas pelos órgãos de segurança do estado que reuniram quase duas mil pessoas em diferentes pontos do Piauí.

Dentre as linhas de ação, estão políticas na área da atenção à saúde do profissional da segurança, aposentadoria, política habitacional, estruturação de carreira, formação continuada e equidade de gênero, de raça e etnia.

Ainda segundo a Secretaria de Segurança, o plano também abarca políticas para a área de monitoramento e inteligência estratégica, integração de unidades de segurança e modernização das estruturas do setor.

Os temas se subdividem em oito programas que, por sua vez, abrigam 20 projetos para a área.

Bem, não resta dúvida que um plano dessa natureza é relevante e sua criação deve ser apoiada e aplaudida.Mas, como indagava aquela propaganda política, por que não fizeram antes?

Por que só agora, praticamente ao apagar das luzes da gestão, estão lançando esse plano de segurança?

Quer dizer que, em termos de segurança, se passou todo o governo atirando no escuro?

Então, só posso concluir que foi por isso que os bandidos agiram tanto às claras, ou seja, à luz do dia.

Lançamento marcou despedida do deputado Fábio Abreu

*por Zózimo Tavares

Ao recusar chapa com Ciro, Dilma Rousseff descarta disputar Senado pelo Piauí

A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) descartou disputar o Senado pelo Piauí por se recusar a fazer chapa com o senador Ciro Nogueira (PP), que votou a favor do impeachment dela. É o que diz a coluna do Estadão deste domigo (08), a qual afirmou ainda ser “impublicável o que ela respondeu a quem sugeriu a aliança no Estado, onde PP e PT farão uma dobradinha”. (Leia aqui)

Ainda no ano passado, foi cogitado que a ex-presidente se candidatasse ao Senado pelo estado piauiense. A imprensa apontava que a petista já discutia a alternativa sem alarde, próximo a seu núcleo de amigos, deixando em aberto a possibilidade de tentar uma vaga como senadora.

Os rumores eram de que se Dilma disputasse mesmo pelo Piauí, iria repetir a estratégia do peemedebista José Sarney, que fez carreira política no Maranhão e tornou-se senador pelo Amapá após sair da Presidência da República.

Alvo de inquéritos oriundos da operação Lava Jato, a ex-presidente poderia se beneficiar do foro privilegiado caso fosse eleita, evitando que seus casos permaneçessem na primeira instância, sobretudo nas mãos do juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba.(Portalaz)

Esquerda petista traça reações à prisão de Lula e não admite Plano B

Charge do Nani (nanihumor.com)

Amanda Almeida
O Globo

Desde que o Supremo negou o habeas corpus a Lula, as várias tendências do PT traçam estratégias sobre como lidar com a nova realidade do partido. Corrente que se classifica como esquerda do partido, a “Esquerda Popular Socialista” preparou documento com 13 diretrizes de ação. O texto de introdução afirma: “A gente bem sabe que Deus é brasileiro, e muitas vezes desconfia que ele se chama Lula”.

Para tratar a “divindade”, os petistas pregam ataques à imprensa, “organizar escracho cotidiano aos golpistas”, incorporar a hashtag #LulaLivre em todos os materiais de campanhas de pré-candidatos da legenda e desautorizar “categoricamente qualquer movimentação em torno de um plano B”.

Há, entre as linhas de ação, um toque de realismo: “Emitir urgente orientação jurídica para conhecimento da militância, alertando sempre que este espaço de batalha está sendo cumprido, mas não se devem ter ilusões.”

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
 – É impressionante que a ficha continue sem cair. Política não deve se misturar com religião. E o pior é ter um líder “religioso” que passa o vexame de fazer seu último e mais importante discurso completamente bêbado, trôpego e caricato. Dizem que no voo até Curitiba, no pequeno monomotor, ninguém aguentava o bafo de ressaca de Lula. E assim caminha a humanidade, diria o genial cineasta George Stevens. (C.N.)

Vereadores suspendem por dois dias sessões na Câmara Municipal de Parnaíba

Estes dois últimos dias de troca-troca de partidos acabaram por interferir no funcionamento da Câmara Municipal de Parnaíba. De comum acordo os vereadores decidiram quarta-feira suspender as sessões de quinta (5) e sexta-feira (6), alegando viagem de alguns deles, principalmente na quinta-feira, para prestigiarem em Teresina a filiação do presidente da Fiepi, Zé Filho, ao PSDB e da deputada Juliana Moraes Sousa, que trocou o MDB pelo PSB de Wilson Martins. Ontem a justificativa ficou por conta da inauguração de uma Unidade Básica de Saúde do Município, que receberá o nome do filho da vereadora Neta (Carlo Eduardo Júnior), falecido no ano passado. As sessões serão compensadas com a realização de duas a serem realizadas na segunda feira.

Limpeza

Alguns vereadores parnaibanos já admitem que, se não forem criados mecanismos de punição, como multas, por exemplo, a prefeitura nunca vai conseguir acabar com os lixões que se formam em vários pontos da cidade, até mesmo na área central. As equipes limpam, assiduamente, mas horas depois os sujões voltam a colocar lixo. O vereador da Paz é um dos que defendem a aplicação de multas, isto porque é grave a situação. “Até na lagoa do Portinho, agora nesses feriados da semana santa,  tive a oportunidade de ver “caçambas” jogando lixo na beira da lagoa”, denunciou o vereador Bernardo Lima.

Ciro não acredita que aliados de W.Dias tenham um nome melhor que o de Margarete Coelho

O senador Ciro Nogueira (Progressistas) voltou a falar sobre a vaga de vice na chapa do governador Wellington Dias (PT) ao tomar conhecimento de quem o MDB planeja apoiar outros senadores em 2018. A decisão estaria atrelada a disputa pela vaga ao lado de Dias. O senador não gostou muito. “Temos uma aliança consolidada e vamos votar no governador. Vamos reelegê-lo. Queremos discutir [a vaga de vice]. É legítimo. Vamos ver o que é melhor [para a chapa]. Se tiver um nome melhor e que seja de outro partido, coisa que eu duvido, para candidatura a vice vamos apoiar”, pontuou o parlamentar.

As declarações de Ciro foram feitas após alguns deputados do MDB afirmarem a imprensa que planejam apoiar outros dois candidatos ao senado e não a reeleição de Ciro Nogueira, o que, na visão do senador, não ajudaria nenhuma sigla.

“Não condeno nenhum partido político que quer disputar o seu espaço, crescer e querer ter representantes. Desde que seja, eu mando o recado: sem ameaças. Não é dizer que não vai votar no senador Ciro que vai fazer eu baixar a cabeça. Política se faz com argumento e com trabalho. Isso é que nós vamos”, argumentou o senador.

Quanto a vaga de vice na chapa de Wellington Dias, Ciro Nogueira defende o debate e que seja feita com base no bem comum para todos os partidos envolvidos. “Vai chegar o momento de decidirmos. Queremos discutir. É legítimo [a disputada pela vaga]. Vamos ver o que é melhor. O Piauí não vai aceitar nenhum tipo de candidato que não seja explicado para a população. Vamos fazer a melhor escolha no momento correto”, concluiu Ciro. (OitoMeia)