Heda, um paciente adoentado que precisa urgentemente de cura

Se o Hospital Estadual Dirceu Arcoverde (Heda) fosse um corpo humano, e tivesse adoentado, ele precisaria de boas doses de remédio para curar algumas de suas feridas mais expostas: péssimo atendimento, corredores lotados, lentidão, servidores de mau humor e um despreparo incomum de gestão, que é o culpado por tudo isso.
O problema é que os gestores erram mais que acertam nas doses aplicadas ao hospital parnaibano nos últimos anos. O remédio não tem tido o efeito desejado porque o local é usado, na maioria das vezes, para acomodação de apadrinhados políticos. O foco técnico, com pessoas preparadas e que deveriam dar mais resolutividade e resultados mais consistentes ao hospital, fica em segundo plano, sendo que a prioridade é atender a interesses politiqueiros de quem usou, abusou e ainda usa o local para angariar dividendos eleitorais.
O Heda é motivo de disputa política nos corredores do Karnak, por conta da quantidade de pessoas empregadas com portarias e de terceirização. Os dois nomes que brigam para fazer as indicações são bem conhecidos da população parnaibana. Um, comprovadamente incapaz para administrar até boteco de beira de estrada, está atualmente com o controle do hospital, e os problemas não diminuem; o outro, que mandava lá até pouco tempo, atua dia e noite para reaver o comando do centro de saúde. Enquanto isso, a população padece nos corredores do Heda. A deputada estadual Teresa Brito flagrou essa triste realidade em recente visita ao hospital.
Quem disse que não há cura para o Heda?
O remédio é simples: colocar profissional qualificado e experiente para gerir os rumos do hospital parnaibano. Menos politicagem barata, mais profissionalismo. E não ficar brincando de erra e acerta na direção, como o que se tem visto há anos naquele lugar. 

Violência hollywoodiana assusta comunidade rural de Luís Correia

Seria cômico se não fosse trágico. Usando máscara do temido Jason, da famosa série de terror “Sexta-Feira 13”, um assaltante, acompanhado de comparsa, levou dinheiro e celulares de vítimas em comércio na comunidade São Benedito, em Luís Correia.
Há tanta facilidade para se cometer ato criminoso na região que o bandido, sem constrangimento ou medo da polícia, chega ao deboche de usar máscara de personagem de Hollywood na prática delituosa. Até nas áreas rurais das cidades litorâneas, onde o cotidiano da população geralmente é tranquilo, a violência amedronta esses pacatos piauienses. A ação criminosa foi registrada pela câmera de segurança no dia 3 de novembro.
Enquanto o deputado federal e ex-secretário estadual de Segurança, Fábio Abreu, que só pensa em ser prefeito de Teresina, diz que os índices de violência no Piauí diminuíram consideravelmente nos últimos anos, e que tudo está dentro da ‘normalidade’. Mas os parnaibanos e moradores de cidades vizinhas convivem diariamente com uma onda de assaltos e outros crimes.

Com efetivo reduzido, poucas viaturas e outros problemas operacionais, a PM-PI, em Parnaíba e região, fica com muitas limitações para inibir e enfrentar a audaciosa ação de marginais em campo. Segurança Pública no Governo Wellington Dias só funciona na propaganda oficial.

Mão Santa diz que vai eleger 14 dos 17 vereadores da Câmara

Mão Santa em evento do DEM na Câmara Municipal

Embora sua candidatura à reeleição seja um assunto que ele vinha postergando, o prefeito de Parnaíba, Mão Santa, já dá sinais de que o tema não está fora de suas pretensões.

Em reunião política, semana passada, durante a filiação da suplente de vereadora Doya ao DEM, o prefeito disse que, caso não consiga formar uma chapa forte com vereadores, secretários ou mesmo empresários locais, ele poderá, sim, ser o candidato. “Se eu não formar a chapa dos meus sonhos, não vou deixar o PT voltar outra vez ao comando da cidade”, pontuou.

Ele reafirmou ser contra a existência desses quase 40 partidos atuais  e que a próxima eleição vai acabar com isso.. “Hoje nós estamos muito fortes. Quando deixei a prefeitura na primeira vez, e que logo após os parnaibanos nos deram a maior votação a um político piauiense, quase 94% dos votos, para governador, dos 13 vereadores que haviam fizemos 10. Agora, dos 17 atuais vamos fazer pelo menos 14 e queremos uma bancada de mulheres forte”, destacou Mão Santa, referindo-se às candidaturas de Doya e Neta Castelo Branco, que são suas correligionárias. “Esse nosso governo é bom, muito bom. O outro será bem melhor”, finalizou.

Coisa boa é ser amigo do governo!

Quem lembra como o Geddel Vieira Lima ganhou tanto dinheiro?

Por: Marcos Melo

Empreender é um desafio dos grandes. Hoje, ter experiência na área e compromisso com o trabalho significam pouco — algumas vezes, absolutamente nada — quando se fala de sucesso empresarial no Piauí.

Restaurantes com 20 anos de clientela fecham as portas enquanto os mais diversos points brotam aqui e ali. Bares e restaurantes “relâmpagos” investimentos altíssimos que, de repente, fecham, mudam de nomes, sócios, tudo no mesmo lugar. Sempre dando “lucro”.

Na construção civil, a maior empresa do estado demite milhares de funcionários para se manter funcional no mercado. Ao mesmo tempo, empresas sem empregados registrados prosperam no ramo de norte a sul do Piauí.

Colégios com décadas de tradição encerram suas atividades por cambalearem no mercado diante da concorrência que aos mais atentos cheira a dumpping.

Alguém já reparou nas lojas de carros usados nas principais avenidas da capital? Numa delas, apenas, por curiosidade, contamos nada menos que R$ 5 milhões de reais distribuídos em não mais do que 20 carros. Possantes que substituíram em questão de meses Voyages, Celtas e Palios de seus novos “donos”. Gente essa que não junta uma semana inteira de trabalho se for contar a vida toda.  

De repente, choveram heranças por aí? Distribuíram bilhetes premiados de loteria na fila do pão? Provavelmente, não. Claro que não.

Competir no mundo real com empresas que existem apenas pra fazer de conta é muito injusto. Financiar essa injustiça com dinheiro público é criminoso.

Precisamos de uma “Lava-Jato” no Piauí. Urgente.

Ninguém quis rebater Bolsonaro por preconceito contra “governador ladrão”

Resultado de imagem para bolsonaro

Todo mundo acompanhou: em conversa informal com um de seus ministros, gravada pela imprensa, o presidente Jair Bolsonaro chamou governadores do Nordeste de “paraíbas” e quase cai uma banda do mundo.

Os governadores, com os brios feridos, imediatamente publicaram nas redes sociais uma nova carta aberta ao presidente acusando-o de estar discriminando a região.

Bolsonaro, que não foge de uma briga, por mais besta e sem futuro que ela seja, disse que sua crítica não era genérica e que estava falando particularmente de dois governadores – o do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB) e o da Paraíba, João Azevêdo (PSB).

Nova carga

O presidente Jair Bolsonaro voltou na segunda-feira ao Nordeste. Foi a segunda visita dele à região em menos de um mês. E na próxima semana ele vem ao Piauí.

Nessa segunda visita, Bolsonaro veio inaugurar a primeira etapa da usina solar flutuante, instalada pela Chesf em Sobradinho, na Bahia, e não deixou pedra sobre pedra.

O presidente afirmou que governadores da região “fazem politicalha” e querem transformar o Nordeste “em uma Cuba”.

E voltou a negar que tenha agido com preconceito contra os nordestinos, quando chamou governadores do Nordeste de ‘paraíbas’.

Na Bahia, o presidente voltou a carregar nas tintas. E descarregou:

– (…) Não existe esta questão de preconceito. Eu tenho preconceito é com governador ladrão que não faz nada para o seu estado.

Sem resposta

Desde ontem, estou, como muitos outros, aguardando uma nova carta aberta dos governadores do Nordeste, desta vez cobrando satisfação pela nova declaração do presidente.

Não é possível que eles, os governadores, que ficaram tão melindrados quando se sentiram chamados de “paraíbas”, não tenham se incomodado quando Bolsonaro afirma que tem preconceito com governador ladrão. Ou vão fazer de conta que não foi com eles?

Os governadores nordestinos estão na obrigação de vir a público novamente e exigir que o presidente aponte quem é governador ladrão.

Eles não podem simplesmente calar e aceitar a carapuça.

Todos sabem que, pelo seu modo desassombrado e sem freio na língua, Bolsonaro prontamente vai dizer quem é que é ladrão.

Ou então vai dizer que, mais uma vez, foi mal interpretado e, assim, ninguém, entre os governadores, carregará nas costas a pecha de ladrão.

Coragem, governadores! Cadê a carta?

Por: Zózimo Tavare

Objetivo é saber quem pagou aos hackers, que estavam com bastante dinheiro vivo

Ilustração reproduzida do Youtube (Arquivo Google)

A investigação sobre a invasão de telefones de autoridades, entre elas o do ministro Sérgio Moro (Justiça e Segurança Pública) e do procurador da República Deltan Dallagnol, indica que centenas de celulares foram hackeados ou sofreram tentativas de hackeamento, em uma ação “muito além da Lava Jato”.

Quatro suspeitos de realizarem as invasões foram detidos nesta terça-feira, 23, pela Operação Spoofing da Polícia Federal – entre eles Walter Delgatti Neto, Danilo Cristiano Marques e o casal Gustavo Santos e Suellen Priscila de Oliveira. Os presos foram transferidos para Brasília.

BUSCA E APREENSÃO – Além dos mandados de prisão temporária, os agentes federais cumpriram ordens de busca e apreensão em São Paulo, Araraquara e Ribeirão Preto, cidades do interior paulista. A ação, que apreendeu ainda significativa quantidade de dinheiro em espécie, foi determinada pelo juiz da 10ª Vara Federal de Brasília, Vallisney de Souza Oliveira. E o casal Gustavo e Suellen movimentou R$ 627 mil em apenas dois meses.

O inquérito sobre a ação de hackers é mantido em sigilo e está sendo conduzido pelo delegado Luiz Flávio Zampronha, que investigou o esquema do mensalão.

O mandado de buscas indica que desembargador federal Abel Gomes, do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2), no Rio, o juiz Flávio Lucas, da 18ª Vara Federal do Rio, e os delegados da PF Rafael Fernandes, em São Paulo, e Flávio Vieitez Reis, em Campinas (SP), também teriam sido alvo de hackers.

OUTROS HACKEADOS – Em junho, o jornal O Estado de S. Paulo revelou que, além de Moro e Deltan, pelo menos outras oito autoridades que atuam ou atuaram em investigações ligadas à Operação Lava Jato em quatro Estados e um jornalista foram alvo de tentativas ou invasão por parte de hackers. Integrantes do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) também foram alvo de ataque.

Também nesta terça-feira, a PF informou que vai investigar a suspeita de invasão nos aparelhos celulares do ministro da Economia, Paulo Guedes, e da deputada Joice Hasselmann (PSL-SP).

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
 – O mais importante de tudo é saber quem pagou aos hackers, pois o dinheiro apreendido com eles vai ajudar desenrolar as tramas desse novelo de mistério e suspense. O modelo norte-americano “follow the money” (sigam o dinheiro”) ainda é a melhor maneira de conduzir investigações. (C.N.)

O império dos hackers

Resultado de imagem para O império dos hackers

A Polícia Federal prendeu ontem quatro suspeitos de invadir celulares do ministro da Justiça, Sergio Moro, e do procurador federal Deltan Dallagnol.

Os suspeitos foram presos em Araraquara, no interior de São Paulo, e transferidos imediatamente para Brasília, através da Operação Spoofing, cujo sigilo retirado hoje, ao meio-dia.

O site O Antagonista comentou ontem, a propósito da invasão de celulares de autoridades por hackers: “A imprensa, que compartilhou alegremente as mensagens roubadas à Lava Jato, obtidas por criminosos, alimentou uma guerra de hackers.

A clonagem do telefone celular de Paulo Guedes, ministro da Economia, é mais uma etapa desse ataque terrorista ao Estado.”

O ministro da Economia foi o segundo do governo Bolsonaro a ter o celular raqueado.

No mês passado, o ministro da Justiça informou que o celular dele fora invadido.

Até a segunda-feira, se falava na invasão do telefone da deputada Joice Hasselmann (PSL), líder do governo Bolsonaro no congresso, denunciado por ela no final de semana.

Exames bloqueados

Em Teresina, era noticiada ontem a invasão do banco de dados da Fundação Municipal de Saúde pelos hackers, prejudicando o trabalho dos profissionais da área e também os pacientes. Mais de 10 mil exames clínicos e de laboratório estão bloqueados.

Bem, tudo isso é resultado desse aplauso febril de muitos para os hackers. Aplausos que se dão não como um gesto em defesa da livre circulação de informação e da busca da verdade, mas motivados exclusivamente por interesses políticos, partidários e ideológicos.

Todo mundo interessado em que os adversários se ferrem.

Infelizmente, é assim, na base do crime virtual, que muitos querem mudar o país e construir uma nova nação!

Por: Zózimo Tavares

Cepisa dá dicas para economizar energia elétrica nas férias

Resultado de imagem para dicas para economizar energia elétrica nas férias

Nesse período de férias com a criançada em casa, o consumo de energia tende a aumentar e a Equatorial Piauí faz uma alerta para o cuidado com os gastos, visando evitar prejuízos na hora de pagar a conta de energia.

De acordo com um levantamento feito pela empresa, entre os meses de junho a julho do ano passado houve um aumento de 11% no consumo de energia elétrica no estado do Piauí. A tendência é que esse número se repita em 2019, por isso a Equatorial tem dado dicas para mudanças no hábito de consumo dos clientes em suas residências.

O eletrotécnico da Equatorial, Gilvan Monteiro, destaca alguns pontos que elevam o consumo de energia elétrica. “Ao chegarmos no mês de férias, com boa parte da família em casa por mais tempo, aumenta o consumo de eletrodomésticos como geladeira, lavadoras de roupas, ventiladores, micro-ondas e o consumo de eletroeletrônicos como videogame, televisão, pelas crianças. É preciso que haja uma mudança no hábito de atividades que possam evitar o consumo excessivo de energia e assim garantir economia no final do mês’’, diz.

Gilvan propõe soluções alternativas para equilibrar os gastos nesse período. “A dica principal para quem vai curtir as férias em casa, é utilizar melhor os eletrônicos e eletrodomésticos, orientando sobre horários e o uso não excessivo dos equipamentos, além de criar alternativas de lazer para as crianças como jogos de tabuleiros, passeios ao ar livre”, finaliza.

Ministério da Justiça libera verba de R$ 9 mi para a segurança do Piauí

“O secretário de Segurança Fábio Abreu, está comemorando porque vai receber R$ 9 milhões. Demorou, mas o Ministério da Justiça acabou liberando este dinheiro e segundo Fábio Abreu vai fazer muita diferença no aparelhamento da policia no Piauí. 

Este fundo da Segurança é equivalente ao fundo da educação, ao da saúde e foi aprovado no governo Temer. Ia começar a cair o dinheiro em janeiro, mas não caiu. Agora deu certo.

As informações acima são dos jornalistas Arimateia Carvalho e Amadeu Campos, do programa Jogo do Poder, da TV Meio Norte. Agora o que se espera é que esse dinheiro seja aplicado de fato onde deve ser aplicado, sem desvios, sem privilégios. A segurança é um caos em todos os municípios do Estado, com as delegacias faltando às vezes até papel para se registrar um Boletim de Ocorrências, segundo se informa.

Ah, e a nova penitenciária, que se faz necessária, que queriam construir em Parnaíba e o Mão Santa não deixou? Prometeram construí-la próximo ao município de Bom Princípio. Ainda vai sair, ou caiu no esquecimento?

Advogado assume que defendeu Adelio Bispo de graça, para ganhar fama na mídia

Ninguém pagou aos advogados que defenderam o esfaqueador

Lauro Jardim
O Globo

Jair Bolsonaro não se conformou com a decisão da Justiça de absolver Adélio Bispo por considerá-lo inimputável. “Jogadinha de ser maluco”, chegou a dizer Bolsonaro sobre o veredicto. Vai gostar menos ainda do que a Polícia Federal tem a dizer sobre outra investigação, desta vez acerca de Zanone Júnior, o advogado do seu esfaqueador.

Bolsonaro já disse mais de uma vez que o suposto mandante da facada estaria por trás do pagamento dos honorários do advogado.

ERA MENTIRA – Zanone sustentou desde o início que o dinheiro para defender Adélio lhe foi dado por “um religioso de Montes Claros (MG)”, que não queria aparecer. Só que a investigação da PF, em fase final, aponta para uma novidade: ninguém pagou pela defesa. O advogado resolveu assumir o caso de graça e inventou uma história.

A motivação foi a mesma que o levou a defender gratuitamente Bola, o ex-policial que se envolveu no caso do goleiro Bruno. Zanone queria faturar com os holofotes de um caso supermidiático.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
 – Não há surpresa. O excelente colunista Lauro Jardim confirma a informação publicada na Tribuna da Internet assim que se noticiou que o advogado não revelava o nome do pagante. A busca de notoriedade entre operadores do Direito é fato é muito mais comum do que se pensa. Na mesma época, Antonio Santos Aquino apostou aqui na TI que Adelio Bispo tinha problemas mentais e não gostava de Bolsonaro devido a suas provocações às minorias e aos negros quilombolas. Não deu outra.

Uma médica psiquiatra que foi assistente técnica de Bolsonaro e outra contratada pela defesa de Adélio concordaram sobre os problemas mentais do réu. “Todos os profissionais médicos psiquiatras que atuaram no feito, tanto os peritos oficiais como os assistentes técnicos das partes, foram uníssonos em concluir ser o réu portador de transtorno delirante persistente”, diz a decisão do juiz que sentenciou Adelio Bispo. (C.N.)

Justiça manda recolher passaporte diplomático que Araújo concedeu a R.R. Soares

O pastor Romildo voltará a ser um brasileiro como os outros…

Vinicius Sassine
O Globo

A Justiça Federal em São Paulo determinou a suspensão dos passaporte diplomático concedidos ao pastor Romildo Ribeiro Soares, o R.R. Soares, e à mulher dele, Maria Magdalena Soares, líderes da Igreja Internacional da Graça de Deus. Os passaportes foram autorizados pelo ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, no último dia 3 de junho.

Os documentos especiais permitem ao pastor e à mulher que evitem filas no setor de imigração dos aeroportos e garante isenção de vistos em determinados países. A concessão dos passaportes pelo ministro de Bolsonaro foi contestada por uma ação popular, movida pelo advogado Ricardo Nacle, o que foi acatado pela Justiça.

SEM JUSTIFICATIVA – A juíza Denise Aparecida Avelar, da 6a Vara Cível Federal em São Paulo, não enxergou justificativa suficiente para que os líderes religiosos tenham passaportes diplomáticos e determinou que os documentos sejam recolhidos. Não houve comprovado interesse do país, conforme a decisão da magistrada nesta quarta-feira.

“Portanto, a atuação como líder religioso, no desempenho de atividades da igreja, não importa em representação de interesses do País, de forma a justificar a proteção adicional consubstanciada no passaporte diplomático, sendo certo que as viagens missionárias, mesmo que constantes, e as atividades desempenhadas no exterior, não estarão prejudicadas sem a utilização do documento em questão”, afirma a magistrada.

No governo Temer, que também concedeu passaporte diplomático a R.R. Soares e à mulher, a Justiça proferiu decisão semelhante. Mesmo assim, Ernesto Araújo decidiu emitir novos passaportes aos líderes religiosos.

EDIR MACEDO – Em reportagem anterior, O Globo mostrou que no caso de Edir Macedo, líder da Igreja Universal, Ernesto Araújo tomou a decisão de conceder o passaporte sem consultar a área técnica. Naquele caso, o pedido foi feito no dia 5 de abril e a concessão ocorreu no dia 12 do mesmo mês.

Em processos semelhantes realizados na gestão anterior quatro instâncias do Itamaraty foram ouvidas.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
 – Por analogia, se um não pode, o outro também não. A autorização a Edir Macedo foi dada porque o passaporte havia sido concedido em governo anterior. Portanto, agora também precisa ser cassado o passaporte do dono da TV Record. (C.N.)

Importante é ter sangue bom

 

Por:José Adalberto Ribeiro 

Nova política?! Velha política?! Novelha política?! Zumbis?! Lobos, raposas, lobisomens?! O importante é ter sangue bom.

Há sempre um pouco de novo em cada velho. Há sempre um pouco de velho em cada novo.

Meu guru filosófico Nelson Rodrigues costumava dizer: “Jovens, envelheçam!” Meu sonho de consumo é ser um jovem Matusalém.  

O Império estava velhíssimo em 1889. Os liberais proclamaram a República. Foi golpe, protestaram os monarquistas. Os libertários mataram e esfolaram os jagunços do beato Antônio Conselheiro em nome dos novos ideais republicanos. Foi a maior carnificina na história da nascente República.

Nos idos de 1937 Getúlio Vargas decretou a ditadura do Estado Novo. Veio da República Velha, das oligarquias rurais, chamada de República dos Carcomidos. Ser chamado de carcomido era uma ofensa tipo ser chamado de petista ou comunista, com licença das palavras.

Ah saudades do velhinho Tancredo Neves! Proclamou a Nova República em 1985 depois de ser eleito, via indireta, pelo Colégio Eleitoral. Mas, a vida é uma vela acesa. O velhinho apagou-se. Os marimbondos de fogo de Ribamar Sarney entraram na linha. A Nova República virou Novelha. Ribamar tinha bigodes de vassoura do tamanho do Maranhão. Hoje é uma múmia. O Maranhão é o Egito.

Aqui nesta terra dos altos coqueiros, “Nova Roma de bravos guerreiros”, as torcidas de Arraes e José Múcio Monteiro cantavam o refrão em 1986: “O velho é o novo, o novo é o velho”. Zé Múcio foi rotulado de velhinho na florescência da idade. Arraes rejuvenesceu e ganhou a eleição.

Hoje Zé Múcio é um jovem ministro do Tribunal de Contas da União, cada dia mais jovem e mais rio formoso.

Eu sou um cara da Jovem Guarda. Eu sou um cara seminovo.

A jovem guarda envelheceu? Tô nem aí. Envelheceu para vocês que são uns ingratos, mas permanece vivinha da silva no meu coração juvenil. “Quero que você me aqueça neste inverno e que tudo mais vai pro inferno!”

A palavra Novo é sedutora. O verbo Seduzir também é sedutor. Os tutanos, as tripas das palavras escondem mistérios.

Nova política, novelha política ou velha política?! Ai vareia. Mais importante é saber a natureza da onda, é ter sangue bom. É nóis,  bicho, vamos nessa onda!

Dia do Meio Ambiente, comemorar o que em Parnaíba?

Por:Fernando Gomes(*)

O município de Parnaíba – PI localiza-se na bacia hidrográfica do Rio Parnaíba, este que se divide em vários braços formando o belíssimo Delta do Parnaíba, o único em mar aberto das Américas e o terceiro maior do mundo, só perdendo para o do Nilo, no Egito; e o do Mekong, no sudeste asiático. Uma das cinco barras é o rio Igaraçu, único em solo piauiense, as outras quatro barras: Canárias, Caju, Melancieiras e Tutóia, ficam do lado maranhense.

No que pese a importância da biodiversidade local, seus atrativos naturais, Parnaíba – PI possui muitas potencialidades, além de contar com uma localização geográfica privilegiada. Desponta como uma das mais belas cidades do meio norte do Brasil e com perspectivas de crescimento e destaque em diversas áreas da economia, cultura e meio ambiente.

O município está inserido dentro de uma Unidade de Conservação Federal, a APA Delta do Parnaíba, apesar de tudo isso, a gestão local não tem investido em novas estratégias para o desenvolvimento sustentável. Predomina a velha prática política do compadrio e improvisação!

Mas é preciso vencer essa mácula administrativa que o município enfrentou e enfrenta em sua história, com poucos casos a se excetuar. Parnaíba mergulhou em sucessivos problemas de gestão que se caracterizam por um modelo que mais se assemelha ao mandonismo e coronelismo. Um modo de “fazer política”, de cuidar da “coisa pública”, embasado geralmente na associação estabelecida dos profissionais da política com práticas patrimonialistas, com domínio familiar, com laços de dependência e reciprocidade com o poder central, com resquícios de instrumentos tradicionais de mando político.

O momento atual exige a divisão de competências que deve incluir novos modelos de gestão, com novos componentes nas políticas públicas e relações integradas entre os setores públicos (nas três esferas de poder) e o privado. A participação e o controle social devem ganhar contornos propulsores da governança local, com foco na dimensão socioambiental.

Por isso, Parnaíba carece de intervenção! E a questão ambiental pode ser o eixo norteador da construção de um novo modelo de gestão que se alinhe à sustentabilidade. Esta é o paradigma do mundo moderno que põe em xeque o atual modelo de organização da sociedade que privilegia o aspecto econômico em detrimento do social e do ambiental. Pressupõe um alinhamento entre estas três dimensões de forma a atender uma qualidade de vida às presentes e futuras gerações, enquanto ação ideológica que cuida das pessoas, utiliza os recursos naturais com racionalidade e promove o desenvolvimento econômico. Mas, por que isso não acontece?

Talvez aqui encontremos resposta para muitas perguntas que estrategicamente não são reveladas. A principal delas é entender porque a questão ambiental é vista e, às vezes, defendida pelos governos e governantes como algo da esfera preservacionista, meramente. Ou seja, falar de meio ambiente é cuidar dos bichos, das matas, dos rios, enfim, dos recursos naturais. Gente? Nem se fala!

Sabe-se, no entanto, que falar da questão ambiental é isso e muito mais, é falar também do esgoto que corre a céu aberto nas ruas; da “carne da moita” que é comercializada na cidade; do lixo que às vezes é jogado na rua pelo próprio cidadão e quando coletado, muitas vezes é lançado de forma incorreta na sua disposição final; é falar de um sistema de saúde falido e que não atende a quem precisa de cuidados médicos básicos; é falar de uma educação que não forma para a cidadania, quando muito leva instrução a uns poucos; é falar da representação política que não tem qualidade, que não defende os interesses coletivos; do avanço das drogas, da miséria e da fome, da violência, do desemprego, da aculturação, das discriminações…

Vê-se que falar da questão ambiental enfocando a qualidade de vida humana pode mudar o rumo. Por isso mesmo é “perigoso”! O perigo está na possibilidade de as pessoas perceberem que o que está errado é a forma como estamos (des)organizados e que é possível implantar um modelo diferente. O que levaria a questionar toda a ordem estabelecida e por fim a sua substituição. Utopia? Não. Tarefa difícil sim! Pois o “sistema” bem estruturado oferece resistência que passa pela manutenção da pobreza (alimentando a dependência estratégica da maioria) e pelos processos de corrupção (financiando as atividades ilícitas).

Parnaíba está embasada num conjunto de pressupostos culturais arraigados. Mudando esses pressupostos, muda também o conjunto de possibilidades, com consequências importantes também na esfera social. No dia do meio ambiente vamos pensar na possibilidade de um novo modo de organização social capaz de transformar o conjunto da sociedade, o seu pensar e seu agir frente às questões socioambientais. Vamos comemorar?!

(*) Fernando Gomes, sociólogo, eleitor, cidadão e contribuinte parnaibano.

O dinheiro é emprestado mas a vergonha é de graça

OPINIÃO: MESMO COM VÁRIOS EMPRÉSTIMOS TOMADOS DURANTE SUAS GESTÕES, WELLINGTON DIAS NÃO CONSEGUE ALAVANCAR A INFRAESTRUTURA DO PIAUÍWellington já virou meme por conta de empréstimos (Foto: Jailson Soares/PoliticaDinamica)

Por: Gustavo Almeida

O governador Wellington Dias (PT) já ganhou a fama de tomador de empréstimos. É até motivo de memes e piadas em perfis de humor por conta dessa tomação de dinheiro emprestado. Deve-se deixar claro que um ente federado, estado ou município, pode sim conseguir recursos por meio de operações de crédito. Isso não é feio e nem tampouco sinal de incapacidade. Pelo contrário, esse tipo de operação pode servir e muito.

Tomar dinheiro emprestado acontece até mesmo com um cidadão que, eventualmente, pode precisar de um empréstimo para uma reforma em casa ou para abrir um negócio. Com equilíbrio, eficiência e planejamento, ele consegue quitar tudo e atingir os objetivos. Ocorre que isso não acontece com os empréstimos do Estado. A verdade é que eles têm dado resultados irrisórios e o Piauí segue combalido no tocante à execução de grandes obras.

É provável que muitos discordem dessa constatação, mas se formos analisar o montante de recursos adquiridos nos últimos anos com empréstimos, quase nada de tão impactante foi feito no Piauí. Algumas obras nunca foram terminadas e sempre são citadas quando o Estado alega a necessidade de empréstimos. Até parece que algumas obras nunca são concluídas justamente para que sempre sirvam de argumento para novas operações de crédito.

Se o governo tomasse esse tanto dinheiro emprestado, mas transformasse o Piauí num celeiro de obras em andamento, certamente ninguém criticaria as constantes contratações de empréstimo por parte do governador. É muito provável que ele também não virasse meme por causa desse tema. O problema é que os empréstimos são feitos e os problemas mais recorrentes e visíveis do Piauí continuam existindo e as obras não são terminadas.

Assim como todo empréstimo, esses feitos por Wellington Dias [e os que foram feitos por seus antecessores] terão que ser pagos com juros. A conta será paga pelo povo do Piauí. A maioria, além de não saber que paga essa conta, ainda por cima sofre com um Estado onde os grandes projetos de infraestrutura praticamente não existem. Nosso Piauí vive a passar vergonha em muitos aspectos, vários deles decorrentes justamente da pouca estrutura.

São vergonhas que o Piauí passa de graça enquanto paga por empréstimos que custam caro.

Ação do MP contra empréstimos recebe críticas do governo e da oposição

Por:Zózimo Tavares

Governo e oposição criticaram ontem a ação do Ministério Público do Piauí, através da 44ª Promotoria de Justiça, para que o Governo Estado se abstenha de iniciar ou prosseguir contratação de empréstimos, ou ainda de pagar os contratos em curso dos financiamentos já feitos.

A ação foi impetrada na Vara dos Feitos da Fazenda Pública de Teresina, no último dia 30, pelos promotores Fernando Santos, Mário Alexandre Costa Normando e José William Pereira Luz. 

Eles apontam indícios de irregularidades na aplicação de recursos oriundos de empréstimos já conseguidos pelo Governo do Piauí e pedem o ressarcimento de R$ 128 milhões aos cofres públicos.

Conforme a denúncia, as irregularidades estariam relacionadas à aplicação do FINISA I e II (empréstimos conseguidos junto à Caixa Econômica Federal, no valor total de R$ 600 milhões).

Os promotores apontam indícios de fraude nas licitações, superfaturamento de preços, uso de empresas sem capacidade operacional e de crime de lavagem de dinheiro.

Chegou tarde

Para líderes da oposição, todos esses pontos levantados pelo MP em sua ação já foram ditos e denunciados na Assembleia Legislativa na época em que as supostas irregularidades estariam ocorrendo.

Um líder oposicionista lembrava ontem que esses fatos foram denunciados pelos deputados Rubem Martins (PSB), Robert Rios (PDT), Gustavo Neiva (PSB), Marden Menezes e Juliana Falcão (PSDB).

Segundo ele, o dinheiro foi aplicado em obras eleitoreiras que surtiram o efeito desejado. “O MP recebeu essas denúncias no primeiro momento e só agora toma as providências”, lamentou.

“Agora parece tarde”, assinalava o líder, acrescentando que não acredita em nada que venha corrigir os abusos na utilização dos recursos.

Sem pé nem cabeça

Um líder governista garantiu, por sua vez, que a ação do MP não tem o menor cabimento.

Ele informou que o Relatório de Auditoria realizado pela Diretoria de Fiscalização da Administração Estadual IV Divisão Técnica do Tribunal de Contas do Estado do Piauí, processo TC 025611/2017, no qual o MP se baseou para formular a denúncia, ainda não foi nem levado ao pleno do TCE.

“Essa ação não tem pé nem cabeça. No Tribunal de Contas, o processo nem chegou ainda ao relator”, criticou.

O líder governista encaminhou cópia de certidão fornecida pelo presidente do Tribunal de Contas, conselheiro Abelardo Vilanova, informando que o processo não foi julgado nem passou pelo contraditório, ou seja, ainda não recebeu a defesa do governo.

Para o líder, a denúncia é para “tentar atrasar as coisas no Piauí”, isto é, dificultar que o Estado receba novos recursos oriundos de financiamentos.

Deputada independente

Resultado de imagem para lucy soares

Por: Murilo Noleto

Não há como deixar de lado as parvoíces publicadas na imprensa piauiense diariamente, não há.

Ontem mesmo, foi um desses dias.

O presidente do Progressistas no Piauí, deputado estadual Júlio Arcoverde, em entrevista ao jornalista Lucas Sousa do Portal AZ, disse que , a deputada estadual Lucy Soares, esposa do prefeito de Teresina Firmino Filho, é uma deputada “independente”.

Ficamos a matutar o que seria essa independência propalada por Júlio Arcoverde em relação à deputada Lucy Soares.

Ah, Júlio Arcoverde também dissera, que desde a sua filiação ao Progressistas, Lucy Soares fez na condição de independente, embora o Partido que preside no Estado, continue e tenha ampliado a sua participação no governo do petista Wellington Dias,

Tudo acima relatado em apenas um jogo de cena, uma pantomima.

O que há de verdade em tudo isso?

Duas semanas atrás, a deputada Lucy Soares, juntamente com outros três deputados, empreendeu, desnecessariamente, uma viagem às cidades de Floriano e Picos, para ver com os próprios olhos um verdadeiro Inferno de Dante-primeira parte- que é o atendimento dispensado aos contribuintes nos hospitais estaduais dessas duas cidades do interior piauiense.

A deputada Lucy Soares, ao constatar as condições deploráveis em que se encontram aquelas “casas de saúde”, ficou estupefacta e num rasgo de sinceridade, comparou o Hospital Tibério Nunes a um matadouro.

Qualquer um, ao contemplar cenas Dantescas, iguais às instalações daquele Hospital, faria a mesma observação.

Tudo isso é passado.

Voltando às declarações de Júlio Arcoverde em relação à ‘independência’ da deputada Lucy Soares, na realidade esse pequeno imbróglio decorre do simples fato do dono do Progressistas no Piauí e presidente nacional do Partido, Senador Ciro Nogueira-eleito por aclamação por seus pares- continuar com influência política no plano nacional, pois preside um partido com expressivas bancadas , tanto na Câmara como no Senado Federal, consequentemente mantendo as mesmas posições no novo mandato de Wellington Dias .

Na prefeitura de Teresina manteve e ampliou os que já detinha na administração do prefeito Firmino Filho.

Não é necessário dizer que Ciro Nogueira continua no jogo da política nacional e por ter alocado e empenhado até 2018 no governo Temer, muito dinheiro para o governo do Estado e para a prefeitura de Teresina, continua dando as cartas na política estadual.

As críticas feitas e as que poderão advir ao Governo de Wellington Dias, feitas pela deputada Lucy Soares, não terão o condão de estremecer as relações políticas locais, já que o governador Wellington Dias, premido pelas circunstâncias da banca rota financeira instalada na máquina pública estadual, é refém mais do que nunca, do prestígio de Ciro Nogueira.

O resto é só diversionismo.

O planeta versus Bolsonaro, que tenta fazer restrições à defesa do meio ambiente

Fernando Gabeira
O Globo

Não me sinto obrigado a escrever sobre meio ambiente nesta semana. Trato do assunto a maior parte do tempo. Este ano, estamos diante de algo histórico para o Brasil e, de uma certa forma, para o planeta. Pela primeira vez, em todo o período democrático, temos um governo que é cético a respeito do aquecimento global e acha que o Brasil tem muito ainda a desmatar.

Os fatos se sucedem em várias frentes. Na mais ampla delas, a do aquecimento, o governo o considera uma invenção do marxismo globalizante.

INSUSTENTÁVEL – Essa associação entre o marxismo e o meio ambiente contribui para retardar a tomada de consciência de muita gente. Não consigo entender como se sustenta. Quem conheceu os países do Leste Europeu, onde o marxismo era a ideologia oficial, percebe que comunismo teve um papel devastador.

Não só aconteceu o desastre de Chernobyl: muitas usinas nucleares do período ainda são um dado preocupante para toda a Europa.

Associar o marxismo à luta ambiental é reduzir sua dimensão. Como correspondente na Europa, cobri uma manifestação dos skin heads em Dresden. Eram simpáticos ao nazismo, mas colocavam o meio ambiente como uma de suas bandeiras, ao lado de expulsar os estrangeiros e outras barbaridades.

TEMA CONSENSUAL – O tema é tão forte que ultrapassa divisões ideológicas e partidárias. No entanto, o governo parece caminhar para essa tese singular de que meio ambiente é algo da esquerda; logo, é preciso desmontar a política ambiental que o Brasil construiu com seus parceiros como a Noruega e a Alemanha.

Para começar, demitiu a direção do Fundo Amazônia, financiado por aqueles dois países. Agora, quer usar dinheiro do Fundo para indenizar proprietários, alguns deles possivelmente grileiros. Se o Fundo não tivesse resultados positivos, os próprios noruegueses e alemães já teriam reclamado. No entanto, estavam satisfeitos.

Bolsonaro insiste também em acabar com a Estacão Ecológica de Tamoios para transformar a região numa Cancún brasileira. Acha que pode fazer isso por decreto. Vai se dar mal, se tentar. É ilegal e, além disso, pateticamente inadequado. Espero que seus eleitores compreendam isto. Angra não é Cancún, o mar é diferente; a geografia, as condições sociais, a presença de usinas nucleares, tudo desaconselha.

MAIOR AMEAÇA – Não temo a destruição do planeta, como nos advertem nos hotéis para evitar troca excessiva de toalhas. O planeta continua, não podemos acabar com ele, mas apenas com as condições para a existência humana.

Ainda não se avaliou o impacto das posições de Bolsonaro em nossa imagem externa. O Brasil está se isolando. Em alguns lugares como Nova York, o prefeito faz campanha contra sua presença.

Em outros, como Dallas, o prefeito, mais ponderado, assim como o presidente do Chile, limita-se a reconhecer que Bolsonaro teve 57 milhões de votos, mas acentua que não concorda com suas ideias.

PÁRIA DO LIBERALISMO – O próprio “Financial Times”, um veículo conservador, levantou a hipótese de Bolsonaro se tornar uma espécie de pária do liberalismo.

Não seria bom para ele nem para nós. As pessoas se acostumaram a contar com o Brasil no esforço de preservação, a senti-lo como uma parte integrante do planeta, decisiva para o futuro comum.

Nesta semana do meio ambiente, os governos de Goiás e Mato Grosso lançam um grande programa de recuperação do Rio Araguaia. Haverá um ato na divisa dos dois estados. Bolsonaro parece que vai comparecer, incluindo, pelo menos, a recuperação de um dos mais importantes rios brasileiros na sua agenda. É uma oportunidade que tem de atenuar sua hostilidade contra o meio ambiente, sua admiração por um tipo de progresso empobrecedor.

PIADAS SEM GRAÇA – Ao compreender a importância das águas, que não podem ser substituídas por Coca-Cola, deveria se dar conta também do absurdo de transformar uma estação ecológica em Cancún.

Ajudaria também a romper o isolamento se ele fosse mais discreto no seu humor. A história de dizer que tudo no Japão é pequeno constrange os mais antigos, que ainda se lembram desse tipo de piada.

Ela pode ter alguma graça entre os frequentadores de uma Cancún construída sobre as frágeis ilhotas de Angra, à sombra das usinas nucleares. Apenas confirma sua fixação no órgão genital masculino e aumenta o medo de que a ignorância realmente vai esmagar o conhecimento humano.